Seletiva em Deodoro deixa Pepê e Felipe perto do Rio-2016 na canoagem slalom

Se no feminino já está definido que Ana Sátila será a representante do Brasil nos Jogos do Rio, no masculino a corrida olímpica começou com uma seletiva em Deodoro, exatamente no canal que será utilizado na Olimpíada, em agosto. Pedro Gonçalves, o Pepê, saiu na frente no K1, enquanto Felipe Borges levou a melhor no C1 e a dupla Charles Corrêa/Anderson Oliveira confirmou o favoritismo no C2.

Estadão Conteúdo

30 de março de 2016 | 15h53

Pelos critérios previamente estipulados pela Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) a seletiva realizada em Deodoro valia 15 pontos para o primeiro colocado, 10 para o segundo e sete para o terceiro. Os três primeiros também ganharam a oportunidade de participar das três etapas da Copa do Mundo, que também valem pontos nessa corrida, de forma decrescente. A primeira etapa, na Itália, vale 10 pontos para o campeão, a segunda, na Espanha, vale sete, e a terceira, na França, apenas cinco.

Assim, quem ganhou a seletiva nacional, no Rio, saiu na frente na disputa por um lugar no Rio-2016. No K1, Pepê foi o mais rápido em dois dos três dias de descidas, enquanto Ricardo Taques ganhou no outro e terminou em segundo. Renan Soares ficou em terceiro e também segue brigando para estar no Rio-2016.

No C1, a disputa foi mais equilibrada. Cada um dos três dias de seletiva teve um líder: Felipe Borges, Leonardo Curcel e Charles Corrêa. Felipe, entretanto, fez a descida mais rápida e saiu na frente na corrida. "Agora ficou mais fácil, mas o meu objetivo maior é garantir a melhor colocação nas três Copas do Mundo e mostrar um bom potencial da canoagem brasileira", comentou.

Por fim, no C2 a dupla Charles Corrêa/Anderson Oliveira confirmou o favoritismo para ganhar a seletiva e praticamente assegurar um lugar no Rio. Afinal, apenas dois barcos vão às Copas do Mundo e, mesmo se eles ficarem atrás de Cassiano Alfredo/Wellington Munhoz nas três etapas, vão empatar em pontos e levar vantagem porque a seletiva do Rio é o primeiro critério de desempate. Assim, só precisam participar das etapas de Copa do Mundo para se garantirem.

Na avaliação geral a Seletiva Nacional demonstrou que não há favoritos e que o esporte está em constante crescimento, para Argos Gonçalves Dias Rodrigues, superintendente da CBCa a vaga olímpica ainda está em aberto. "Todos os atletas saem conscientes que não está nada definido entre eles, e que eles terão que treinar bastante até os Jogos Olímpicos, o que faz parte do nosso plano para evitar uma zona de conforto dos canoístas", lembra Gonçalves.

 

Já o treinador da Equipe Permanente Ettore Ivaldi diz que o Brasil tem um bom plantel de atletas, "O trabalho foi feito, agora é ver quem se sai melhor para focar nos Jogos Olímpicos", explica Ivaldi. Para João Tomasini Schwertner, presidente da Confederação Brasileira de Canoagem o crescimento não foi só dentro da água, mas também fora. "Houve uma evolução, administrativa, técnica e de arbitragem, estamos no caminho certo para termos uma excelente participação nos Jogos Rio 2016", lembra.

Treinamento Intenso para o Rio 2016

O evento de classificação dos atletas serviu de teste para a parte técnica e arbitragem que atuará nos Jogos Olímpicos Rio 2016 através de um acordo entre o Comitê Organizador Rio 2016 e a Confederação Brasileira de Canoagem que propiciou a liberação do local para os atletas nacionais sentirem um gostinho olímpico. Para Sebastian Cuattrin, coordenador da modalidade de Canoagem nos Jogos Olímpicos a iniciativa foi excelente. "Realizamos a competição no mesmo horário que irá ocorrer nos Jogos, isso propiciou que os profissionais que atuarão nas Olimpíadas se adaptem com a posição do sol, o reflexo do sol, foi muito importante ter este momento porque é a última oportunidade para uma prova deste tipo, ainda mais com os atletas nacionais presentes".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.