Sem as maiores estrelas, Santos exalta Ganso

Meia tem a incumbência de criar e concluir diante do Ituano, já que líder da competição não contará com Robinho nem Neymar

Sanches Filho, SANTOS, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2010 | 00h00

Paulo Henrique Ganso bem que tentou, mas não conseguiu fazer o sonhado gol para deixar a sua marca no primeiro jogo como profissional no seu estado natal, quinta-feira à noite, contra o Remo, em Belém. Mas, como de rotina, a atuação do meia do Santos foi acima da média, abaixo apenas da de Neymar, que fez dois gols e deu assistência para os outros dois.

Hoje, às 19h30, contra o Ituano, no Pacaembu, Ganso vai ter que jogar por ele e pelo seu companheiro, que cumprirá suspensão pela expulsão contra o Palmeiras. Mas está confiante.

"O grupo do Santos é muito forte e isso me anima", diz o meia. "Precisamos ganhar de qualquer jeito porque o Santo André está em cima (fez 4 a 1 no Bragantino ontem e assumiu a liderança provisória) e a nossa meta é terminar a primeira fase em primeiro lugar."

No jogo de Belém, a intenção de Dorival Júnior era trocar Neymar por Maikon Leite. Teve, no entanto, que mudar de ideia, e tirar Ganso da partida, por precaução. "Senti uma pancada na perna esquerda e pedi para sair", lembra o jovem meia. "Mas tenho condições de continuar como titular para ajudar o Santos a ganhar do Ituano.".

Nos últimos jogos, Ganso teve que contrariar as suas características de meia clássico a pedido de Dorival Júnior. Em vez de atuar mais avançado, ele e Marquinhos ficavam mais atrás fazendo a função de volante. Diante do Naviraiense, na Vila Belmiro, a sua adaptação à posição foi perfeita, mas, contra o Palmeiras sentiu bastante dificuldade.

À frente, como gosta. Com a entrada de Rodrigo Mancha, para formar a dupla de volantes de marcação com Arouca, hoje Ganso vai jogar como em Belém, apenas do meio para frente. Caberá a ele ficar mais próximo de André. Madson cairá pelas laterais do campo. Com quatro gols no Paulista e um na Copa do Brasil, Ganso é o terceiro artilheiro santista no ano, ao lado de Robinho.

Hoje pode aumentar a conta e deixar o Santos a apenas uma vitória da classificação às semifinais. Daí um campeonato novo começa e a derrota diante do Palmeiras servirá de alerta para que a equipe não fraqueje logo no momento mais importante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.