Sem bateria, surfistas se arriscam em grandes ondas de Peniche

Com más condições para a realização de disputa, atletas se aventuram em ondas de sete metros de altura na praia da Papôa

PAULO FAVERO - Enviado especial a Peniche, O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2014 | 19h17

Sem boas condições para a disputa da etapa de Portugal do Circuito Mundial, alguns atletas abriram mão do treinamento e ficaram ao lado de grandes lendas do surfe de ondas gigantes nesta quinta-feira. O havaiano John John Florence e o português Nic Von Rupp, que curiosamente vão se enfrentar na segunda bateria da repescagem, mostraram coragem junto aos brasileiros Carlos Burle e Pedro Scooby e o norte-americano Garrett McNamara.

Desde cedo centenas de pessoas foram até a praia da Papôa, em Peniche, para ver os aventureiros em ação. A baía é cercada por penhascos e para qualquer lado que se olhasse era possível ver pessoas se amontoando com câmeras e celulares, a fim de captar os momentos de ação. Nos picos, as ondas chegavam a sete metros, e boa parte delas tinha pelo menos quatro metros de altura.

Apesar da presença de meia dúzia de jet skis, os surfistas optaram por entrar na onda apenas com a ajuda do braços e só acionavam os equipamentos aquáticos para fugir das ondas que vinham em sequência quando caíam. "Foi bastante divertido, tivemos algumas boas ondas aqui. Pena que muitas vezes estavam pouco cavadas e com muitos saltos", disse McNamara, que teve trabalho para se manter em pé.

Ele foi quem mais brilhou na sessão e em uma das ondas, com sua prancha verde, ele conseguiu ficar um bom tempo em pé, recebendo aplausos da plateia presente. Já Scooby também escolheu bem as opções e se destacou. Já John John chegou mais perto do final da parte e, ao lado do californiano Peter Mel, mostrou talento e coragem diante dos grande volumes de água.

A praia da Papôa fica numa das bordas do Canhão de Nazaré, um desfiladeiro submarino que deu fama à Praia do Norte após as exibições históricas de McNamara, Scooby e Burle. Foi lá também que Maya Gabeira sofreu um grave acidente, em outubro do ano passado. Só que Nazaré não tinha boas condições de ondas ontem por causa do vento desfavorável. Assim, os atletas preferiram ir à Papôa.

Esse pequena praia em Peniche ficou famosa por causa de uma onda surfada por Joana Andrade, que concorreu ao prêmio XXL de maior onda do ano. "Depois disso vários surfistas vieram para cá e até o McNamara se entusiasmou pelo projeto", conta Antônio José Correa, presidente da Câmara de Peniche.

Ele explica que a formação da praia da Papôa é única, tanto em termos históricos quanto naturais. "Além de receber parte do Canhão de Nazaré, ao lado tem o naufrágio do São Pedro de Alcântara, um navio que vinha do Peru cheio de relíquias incas. E do outro temos um sítio arqueológico chamado Ponta do Trovão", explica.

Ele lembra que no local já foram surfadas ondas acima dos oito metros e que ela tem uma característica de ser tubular, dependendo da direção do vento. "O limite que ela pode chegar eu não sei. Mas aqui em Portugal temos vários espaços para surfe, cada um com sua característica", comemora, revelando que vai tentar colocar a praia no mapa das provas oficiais de ondas grandes.
Carregando

Em um dia sem competição em Peniche, os mais famosos surfistas de ondas grandes do mundo estiveram na praia da Papoa para aproveitar a ondulação acima de 7 metros. Entre os corajosos estavam Carlos Burle e Garrett McNamara.

Visualizar no Instagram

Tudo o que sabemos sobre:
surfeetapa de Portugal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.