Sem brilho, Corinthians confirma o 1º lugar

Time inicia arrasador diante do Independiente, faz 1 a 0 e, visivelmente, se poupa já pensando no duelo com o Flamengo

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2010 | 00h00

O Corinthians tinha tudo para fechar sua participação na primeira fase da Taça Libertadores com uma vitória fácil e por um placar elástico. Mas encarou o Independiente, eliminado e desinteressado, visivelmente se poupando para as oitavas de final diante do Flamengo. Com o goleiro Julio Cesar como um mero espectador, o time jogou para o gasto, fez 1 a 0 e confirmou a melhor colocação da primeira fase.

O Corinthians terá vantagem de definir, até uma possível final, a vaga no Pacaembu, onde o presidente Andrés Sanchez garante que o clube fará seus jogos, abrindo mão de utilizar o Morumbi.

"Não podíamos escolher adversário. Agora faremos um clássico nacional, diante de uma equipe bastante difícil e temos de fazer dois grandes jogos. Não podemos deixar para decidir em casa", afirmou o capitão William. "Temos de controlar bem fora de casa e fazer o nosso melhor aqui no Pacaembu", endossou Roberto Carlos.

Sobre o fato de cruzar com adversário forte logo nas oitavas, após a melhor campanha, uma cutucada no adversário. "Fizemos a nossa parte, talvez tenha faltado algo para eles. Mas não podemos achar que será fácil, que eles estão em crise. Será um grande confronto."

Com a definição do grupo do Internacional, o Corinthians entrou em campo ciente de que dificilmente escaparia de cruzamento com os cariocas, caso confirmasse a melhor campanha. Para escapar do confronto nacional, a possibilidade era perder para os colombianos. Uma derrota simples deixaria o Corinthians com a quarta campanha e os adversários seriam os mexicanos do Chivas Guadalajara, algo nada interessante por causa da longa viagem e também pelo fato de o time ser desconhecido. Eliminado nas oitavas do ano passado por causa do surto de gripe A1N1 em seu país, os mexicanos ganharam da Conmebol vaga nos mata-matas deste ano.

Seriedade. Mesmo podendo escolher seu rival, o Corinthians buscou a vitória desde o início diante dos colombianos. Bastou o apito inicial soar para se ver um completo massacre no Pacaembu. Dentinho, de peito, Iarley com bomba de fora da área, Elias em chute forte e Danilo de cabeça, exigiram grandes defesas do goleiro paraguaio Bobadilla em apenas 21 minutos. Além disso, Roberto Carlos ainda acertou uma "bomba" no travessão.

O sufoco se transformou em vantagem no placar aos 22. Roberto Carlos cobrou lateral para a área, William desviou levemente de cabeça e Valencia jogou para as próprias redes.

Goelada? Que nada, a vantagem acomodou os corintianos. O ímpeto por gols deu lugar a toques de bola de lado, que em muitos momentos irritou o técnico Mano Menezes. Em certo momento, o treinador chegou a pedir mais vontade da equipe. "Está muito mole isso aí", gritou, para protestar com a apatia. De nada adiantou. Todos já estavam com a cabeça no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.