Sem brilho, São Paulo despacha Lusa

Tricolor não conta com o talento de Lucas, poupado, mas vê Ilsinho se destacar na vitória por 2 a 0. Antes da semifinal com o Santos, tem a Copa do Brasil

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2011 | 00h00

Diante de menos de 12 mil torcedores na Arena Barueri, deu a lógica no duelo entre São Paulo, líder da fase inicial, e Portuguesa (8.ª). A vitória por 2 a 0 do time de Paulo César Carpegiani teve pouco brilho, até pela ausência de Lucas - o meia sentiu dores na coxa direita e foi vetado. Coube ao reserva Ilsinho, com gol e assistência para Dagoberto, garantir a vaga na semifinal para encarar o Santos.

Com dificuldade semelhante à enfrentada na véspera pelo rival santista diante da Ponte Preta, o Tricolor abriu o placar no primeiro tempo e foi pressionado na etapa final. Rogério Ceni, que fez boas defesas, minimizou a pressão da Lusa. "É uma característica da nossa equipe, pressiona no inicio e diminui o ritmo nos 20 minutos finais. É normal quando se consegue boa vantagem", disse o goleiro.

Em meio à disputa da Copa do Brasil, o São Paulo garante que prioriza o Estadual e espera que o rival na próxima fase faça o mesmo. "Há tempo suficiente para recuperação e espero que seja um grande confronto", afirmou o camisa 1 são-paulino. "O Santos mostrou que, com todas as peças, é o melhor time do Brasil, tem jogadores que fazem a diferença. É o favorito para a conquista da Libertadores."

Apesar do público reduzido, o goleiro disse que a Arena Barueri vai deixar saudades - o São Paulo mandou quatro partidas no estádio enquanto o Morumbi estava reservado para os shows da banda irlandesa U2. "É um estádio simpático, agradável e moderno, em que a gente se sente em casa. Com a proximidade das arquibancadas, a pressão da torcida conta muito. E tem um bom gramado para se jogar", disse Ceni.

Pressão em casa. O São Paulo começou no ataque, mas o gol só saiu aos 40 minutos. Jean foi à linha de fundo e cruzou na medida para Ilsinho abrir o placar de cabeça. Após o intervalo, a Portuguesa voltou melhor e só não empatou por conta da falta de pontaria dos atacantes. Aos 35, em contra-ataque, Ilsinho foi lançado pela direita e encontrou Dagoberto livre na área. Com um belo toque de primeira, o atacante chutou no canto para fazer seu 9.º gol na competição e diminuir o ímpeto da Portuguesa.

Para o duelo com o Santos, porém, o time espera mais dificuldades do que as enfrentadas ontem em Barueri. "Com certeza vai ser muito mais difícil. Mas antes temos de fazer a nossa parte na quarta (contra o Goiás, no Morumbi, pela Copa do Brasil)", lembrou Jean.

CHAVES DO JOGO

Força defensiva

O São Paulo mudou a formação da zaga durante o jogo, a dupla Miranda e Rhodolfo fez a sua parte e contou com as boas defesas de Rogério Ceni.

Velocidade de Ilsinho

Reserva de Lucas, o apoiador, mais uma vez, deu velocidade à equipe e pode até atuar ao lado do garoto nos próximos jogos.

Falta de pontaria

O ataque da Lusa teve chances, mas a bola passou longe do gol. Os lances de maior perigo foram em chutes de longa distância de jogadores do meio-campo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.