Sem caixa, Santos vai apostar em anônimos

A ordem no Santos é baixar os gastos do futebol. Até jogadores titulares com salário alto podem ser liberados em nome da economia. Depois do equatoriano Bolaños, que teve o contrato rescindido, vão sair Lucio Flavio, Roni (que interessa ao Atlético-PR) e até Fabiano Eller pode deixar o clube se o Grêmio confirmar o interesse na sua contratação e aceitar pagar seu salário. O que explica a contratação do jovem Eli Sabiá, do Paulista, de Jundiaí. Com um déficit acumulado de R$ 81 milhões nos três últimos anos, e sem perspectivas de entrada de recursos com a venda de jogadores para o exterior, a ordem é economizar. Segundo uma pessoa ligada ao presidente do clube, Marcelo Teixeira, o técnico Vágner Mancini já foi avisado de que nenhum jogador caro será contratado. O que contraria a promessa do dirigente, após a final do Paulista, de manter a base do time vice-campeão e reforçar a equipe com um jogador diferenciado para ser a "cereja do bolo".

Sanches Filho, O Estadao de S.Paulo

14 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.