Sem esforço, Vasco afunda o Santos

Time carioca se impõe com facilidade com a vitória por 2 a 0 e deixa equipe santista em situação complicada

CIRO CAMPOS, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2012 | 03h01

O Santos ainda não fez gol fora de casa neste Brasileirão e ontem, contra o Vasco, em São Januário, pouco produziu para acabar com esse incômodo jejum. A atuação ainda foi agravada pelas falhas defensivas e a derrota por 2 a 0 deixou nítida a grande diferença entre as equipes. O time carioca jogou apenas o necessário para fazer um gol no início de cada tempo e garantir a vitória.

O último gol do Santos fora de casa foi de Neymar diante do Corinthians, pelas semifinais da Libertadores, na noite de 20 de junho, no Pacaembu.

Desde então a má fase santista só aumenta. Se o ataque já vinha mal, ontem foi a vez da defesa, que sofreu com a ausência do zagueiro e capitão Edu Dracena - está fora da temporada com lesão no joelho. Em dois escanteios cobrados por Juninho Pernambucano o Vasco aproveitou para construir a vitória. Aos 11 minutos de jogo, Bruno Rodrigo falhou e deu a chance para o zagueiro Douglas finalizar.

No começo do segundo tempo, a história se repetiu e Alecsandro se desmarcou para subir de cabeça no primeiro pau e marcar o segundo.

A estratégia de Muricy Ramalho não funcionou. O Santos jogou de forma cautelosa e de olho nos contra-ataques. O máximo que conseguiu foi trocar passes no campo de defesa. Felipe Anderson seria o responsável por armar as jogadas, mas novamente não apareceu, assim como os atacantes Miralles e Dimba.

Muricy até trocou os dois atacantes no começo do segundo tempo para tentar dar novo gás ao time com os garotos João Pedro e Victor Andrade. Mas o segundo gol do Vasco acabou com todas tentativas de reação. A única defesa do goleiro Fernando Prass veio em um chute de fora da área do volante Adriano.

A derrota faz o Santos voltar a se preocupar com o rebaixamento - tem apenas 10 pontos em 11 jogos. Os três titulares absolutos do time - Neymar, Ganso e Rafael - estão em Londres e vão desfalcar o time por mais cinco rodadas, se o Brasil chegar até final do torneio olímpico.

A próxima parada do time santista é contra o líder Atlético-MG. A tarefa será difícil e a responsabilidade grande para um elenco frágil que precisa reagir.

Críticas de Muricy. O treinador do Santos admitiu ontem, após a derrota para o Vasco, que o clube não se planejou bem para o Campeonato Brasileiro.

"Estamos pagando um preço por não termos nos preparado. Os outros times se planejaram muito bem. Falta jogadores, não tem jeito" afirmou o técnico.

Muricy ainda lamentou a forma como time sofreu os gols e a falta de opções no ataque. "O nosso problema é na frente. É muito pouco, o goleiro deles (Fernando Prass) quase não trabalhou, e em duas bolas paradas a gente perdeu o jogo."

Os jovens jogadores do Santos também sabem que o time está devendo. "O jogo estava igual até a gente sofrer o primeiro gol. Sair atrás fora de casa é sempre muito difícil", lamentou o atacante Victor Andrade.

"Voltamos melhor no segundo tempo, mas o segundo gol nos complicou. Temos que pegar essa atuação nossa no segundo tempo e trabalhar em cima disso", afirmou o meia Felipe Anderson.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.