Claudio Capucho/Divulgação
Claudio Capucho/Divulgação

Sem Flu, NBB quer fazer finais com saldo de cestas

Entidade quer que decisão da competição seja feita em dois jogos ao invés de apenas um

ALESSANDRO LUCCHETTI, Agência Estado

13 de agosto de 2013 | 16h52

SÃO PAULO - O Novo Basquete Brasil (NBB) quer implantar uma novidade na temporada que vai começar no próximo dia 9 de novembro: a final em dois jogos. Tudo para que a Rede Globo, que é parceira da liga, transmita não mais uma partida decisiva, e sim duas. A proposta, discutida nesta terça em reunião da Liga Nacional de Basquete (LNB), em São Paulo, ainda precisa ser aprovada pela emissora que detém os direitos de transmissão.

O NBB, pleiteia que a Globo, sua parceira desde a criação da liga, transmita quatro jogos da temporada: a abertura, já marcada para 9 de novembro, com Brasília x Flamengo, o Jogo das Estrelas, e também as duas partidas finais, a última delas em 24 de maio. A ideia também é que o torneio seja pela primeira vez transmitido online, pelo site da emissora.

A ideia de final em dois jogos, antes impensável, será testada no Copa Intercontinental (antigo Mundial Interclubes), entre o Pinheiros, campeão da Liga das Américas, e o Olympiacos, da Grécia, campeão da Euroliga. O torneio terá dois jogos, dias 4 e 6 de outubro, em Barueri (SP). Em caso de uma vitória para cada time, será campeão quem tiver vencido por maior margem de pontos. No NBB, a ideia é que a equipe de melhor campanha tenha a vantagem do "empate".

Dezessete clubes, apenas, vão lutar para estar na decisão do NBB, um a menos do que na temporada anterior. Isso porque quatro equipes não apresentaram condições financeiras para disputar a liga, entre elas o Fluminense. Os cariocas investiram pesado para montar uma equipe e jogar a Copa Brasil, classificatória para o NBB, mas não conseguiram a vaga. Depois levaram o pleito ao Conselho de Administração da LNB e tiveram a proposta aprovada, gerando muitas críticas.

O dinheiro que o Fluminense contava, porém, não veio. O clube não conseguiu patrocinadores e desistiu do NBB. "A captação para viabilizar a participação do clube não atingiu os níveis que seriam necessários para honrar com a tradição dos esportes olímpicos, que é buscar o título em todas as competições que disputa", explica a nota emitida pelo Flu.

Além do time carioca, o Vitória (do Espírito Santo), o Tijuca (do Rio) e o Joinville (de Santa Catarina) também se licenciaram por falta de patrocinadores e não jogarão o NBB. As novidades serão o Macaé, que se classificou dentro de quadra, e o Goiânia, que recebeu o convite, mas diferentemente do Fluminense, apresentou garantias para disputar o torneio.

A reunião desta quarta era para ter sido realizada no dia 1º, mas foi prorrogada para que esses times pudessem arrumar um patrocínio. "Nós gostaríamos muito que o Fluminense participasse. Mas infelizmente não preencheu os requisitos. Mostraram um projeto que inicialmente foi aprovado, mas depois o clube não conseguiu comprovar os patrocínios", explicou Cássio Roque, presidente da LNB.

Ele admitiu que o formato, com o clube primeiro apresentando o projeto e sendo aprovado para só depois comprovar que a ideia é viável, "não é o ideal, mas é o possível". "A gente tem que entender isso", reforçou.

Tudo o que sabemos sobre:
NBBbasqueteFluminense

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.