Sem incentivo, boxe brasileiro agoniza

O professor Antônio Cândido - um dos maiores ensaístas da literatura brasileira - diz que para se configurar a existência de literatura em um país são necessários três vértices de um triângulo: pessoas que escrevam livros, pessoas que leiam livros e pessoas que imprimam livros. Se um dos três falha, não existe literatura. Se os preceitos de Antônio Cândido valessem para o esporte, seria difícil provar que existe boxe no Brasil.Boxeadores há - e além de lutar, tosam cachorro, comandam igrejas, são camelôs, seguranças, tudo enfim que faça o orçamento mensal engordar um pouco.Público existe, pelo menos um público potencial, que vibrava com Maguila e agora com Popó. Mas e as lutas?Leia matéria completa noJT

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.