Sem Libertadores, equipe de 2011 será bem mais modesta

Felipão dizia que presença na competição seria uma vitrine para atrair bons [br]jogadores. Agora, projeto terá de ser refeito

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2010 | 00h00

O Palmeiras será outro em 2011. Sem dinheiro, com poucos investimentos e com caras novas.

Há pouco mais de uma semana, Luiz Felipe Scolari havia dito que a classificação para a Taça Libertadores seria como uma vitrine, atraindo bons jogadores. Contratar, agora, será mais complicado. O planejamento vai ter de mudar.

A derrota para o Goiás será sentida principalmente no lado financeiro. Se vencesse a competição, o Palmeiras ganharia R$ 2 milhões da Conmebol. Sem contar a renda do jogo final. "A gente aumentaria o preço dos ingressos. Contando as despesas, ganharíamos mais uns R$ 400 mil", imagina Francisco Busico, do Conselho Gestor e responsável pela parte financeira.

O diretor não nega que 2011 deve ser mais complicado que 2010. "Será altamente significativo o prejuízo", disse sobre o tropeço de quarta-feira. "Tudo agora fica mais complicado."

O clube trabalha com três empresas o patrocínio na manga do uniforme. Por causa dos jogos na Sul-Americana, o Palmeiras ganhava R$ 150 mil por jogo. Para o ano que vem, o contrato a ser estudado seria anual. Afinal, o time poderia estar na Libertadores também. Agora, os valores terão de ser revistos. "Quem vai querer investir no Palmeiras agora?", questionou Wlademir Pescarmona, diretor de futebol.

Isso significa mais corte para 2011? "Já cortamos tudo pela metade há 60 dias", falou Busico. A oposição rebate e diz que as dívidas só têm aumentado.

As principais mudanças vão ocorrer no time. Felipão já falou que vários jogadores não têm o perfil que ele deseja. Alguns, segundo ele, sentem a pressão de decidir. Tadeu, Márcio Araújo e Rivaldo devem fazer parte da lista de dispensas, por exemplo.

Felipão terá uma reunião com a diretoria na tarde de hoje. Apesar da vontade de mandar vários jogadores embora, o Palmeiras vai ter de rever sua posição: afinal, não tem dinheiro para pagar várias multa rescisórias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.