Marcio Rodrigues/MPIX/CPB
Marcio Rodrigues/MPIX/CPB

Sem pódio, Brasil termina Mundial de Atletismo Paralímpico com 21 medalhas

País encerra competição em Londres com oito medalhas de ouro, sete de prata e seis de bronze

Glauco de Pierri, enviado especial a Londres*, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2017 | 16h42

O último dia de competição do Mundial de Atletismo Paralímpico de 2017, em Londres, não foi tão bom para o Brasil - foi o único em que o País não conquistou nenhum pódio e terminou a competição com 21 medalhas, sendo 8 de ouro, 7 de prata e 6 de bronze. Mesmo assim, a avaliação do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) foi boa.

"O balanço que fazemos da participação dos atletas do Brasil é bastante positivo. Foi uma performance extremamente importante e nos mostrou que estamos no caminho certo porque visamos sobretudo à um preparo para os Jogos Paralímpicos de Tóquio-2020. Estou bastante satisfeito e vejo que, em algumas situações, nós já vemos evolução e, em outras, vimos que precisamos tomar ações para desenvolver a modalidade", disse Mizael Conrado, presidente do comitê.

Mizael Conrado, que é cego e foi atleta paralímpico do futebol de 5, está no começo de seu primeiro mandato à frente do CPB. "Nós estabelecemos uma estratégia diferente para este início do ciclo. Criamos índices extremamente fortes e desafiadores e todos os atletas que vieram a Londres tinham, ao menos, a terceira marca do ranking mundial, o que os colocava em posição de ganhar medalhas. Certamente este evento norteará o início deste ciclo e a participação até Tóquio", completou.

A partir de agora, o Brasil passa a programar a sua participação no Mundial de Natação Paralímpica, que será realizado entre 30 de setembro e 7 de outubro, no México. O maior nome da delegação brasileira - e do esporte paralímpico no País em todos os tempos - o nadador Daniel Dias, estará na competição. Ele possui 24 medalhas em Jogos Paralímpicos.

RESULTADOS

Vários atletas se destacaram na delegação brasileira que participou do Mundial de Atletismo Paralímpico de Londres. Com dois ouros cada, os maiores vencedores foram Petrúcio Ferreira (venceu os 100 metros e os 200 metros na classe T47) e Thiago Paulino (venceu o arremesso de peso e o lançamento de disco na classe F54). Além deles, Mateus Evangelista ficou com três medalhas - duas de prata e uma de bronze -, mesmo número de medalhas de Rodrigo Parreira (três bronzes).

*O repórter viajou a convite do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.