Sem Ricardinho, Brasil estréia com vitória tranqüila no vôlei

Seleção brasileira agora encara a rival Cuba para garantir classificação às semifinais

23 de julho de 2007 | 23h17

Deixando a polêmica do corte do levantador Ricardinho de lado, a seleção brasileira de vôlei masculino venceu o Canadá por 3 sets a 0, com parciais de 25 a 19, 25 a 18 e 25 a 17, nesta segunda-feira, em sua estréia pelos Jogos Pan-Americanos.   Veja também:    O quadro de medalhas Os detalhes das modalidades em disputa   Com a vitória, o Brasil lidera o grupo A, juntamente com Cuba, que venceu com facilidade a seleção do México. A próxima partida acontece nesta terça-feira, às 22 horas, justamente com os rivais cubanos. Vale destacar que o vôlei masculino não conquista a medalha de ouro desde o Pan da Venezuela, realizado em 1983. De lá pra cá foram duas pratas e dois bronzes.   Com Marcelinho como levantador, a seleção brasileira não encontrou dificuldades para concretizar suas jogadas, uma vez que os canadenses estão longe do nível internacional encontrado na Liga Mundial de vôlei, vencida recentemente pelo Brasil, atual heptacampeão da competição. Assim, o primeiro set fechou em 25 a 19.   Mesmo com a facilidade da partida, o técnico Bernardinho parecia preocupado em testar algumas variações táticas, uma vez que as jogadas pelo meio não encontraram resistência canadense. Assim, Rodrigão foi muito acionado no segundo set, ajudando a seleção a fechar por 25 a 18.   Ao contrário dos dois primeiros sets, o terceiro foi mais complicado, com o Canadá à frente no primeiro break. O cenário, no entanto, voltou ao normal a partir do 11.º ponto, com a virada brasileira em decorrência do bom saque do jogador Dante, que foi o maior pontuador do jogo. Assim, o set foi vencido pela seleção por 25 a 17.   Falta do amigo   Novo capitão da seleção, o ponta Giba deixou escapar que sente muita falta do levantador Ricardinho, que foi cortado da seleção por problemas de relacionamento dentro do grupo.   "É duro falar sobre isso, pois o Ricardinho é meu amigo", disse o jogador, que completou. "Temos 14 anos de vivência e há sete anos ele é o meu companheiro de quarto. Ele faz muita falta, sim".   Confira o desempenho do Brasil em todas as edições do Pan:   1951 Argentina - não houve vôlei 1955 México - 3º lugar 1959 EUA - 2º lugar 1963 Brasil - 1º lugar 1967 Canadá - 2º lugar 1971 Colômbia - 3º lugar 1975 México - 2º lugar 1979 Porto Rico - 2º lugar 1983 Venezuela - 1º lugar 1987 EUA - 3º lugar 1991 Cuba - 2º lugar 1995 Argentina - 7º lugar 1999 Canadá - 2º lugar 2003 R. Dominicana - 3º lugar

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiPan 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.