Sem saída, Flu repete ataque com Washington e Rodriguinho

Sem os machucados Fred e Emerson, Muricy Ramalho dará mais uma chance aos dois contra o Atlético-PR, em Curitiba

Bruno Lousada, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2010 | 00h00

Enfrentar o Atlético-PR na Arena da Baixada nunca é fácil. Fica mais difícil ainda com o desfalque de três jogadores importantes, como os atacantes Fred e Emerson e o meia Deco, todos contundidos.

No Fluminense, porém, o desânimo cedeu lugar à esperança. Jogadores e comissão técnica acreditam que uma vitória hoje, às 16 horas, vai deixar a equipe ainda mais forte na briga pelo título do Campeonato Brasileiro.

Na segunda colocação, o time carioca tem 53 pontos e está um atrás do líder Cruzeiro. "Temos de suportar a pressão (de jogar na Arena). Em campo, são onze contra onze. Queremos nos portar como um time que vai ser campeão", disse o técnico Muricy Ramalho, confiante numa boa exibição do Fluminense.

Única opção. Sem Fred e Emerson, machucados, e com jovens talentos como Alan e Maicon negociados com o futebol europeu, as opções no banco são poucas e Muricy não tem outra alternativa a não ser apostar em um ataque com Washington e Rodriguinho, dupla que não tem funcionado nos últimos jogos.

Washington não faz gol há oito partidas e, logicamente, está incomodado com o jejum. Já Rodriguinho ainda não caiu nas graças da torcida tricolor e, a cada rodada, o tom das críticas ao seu futebol só aumenta. Hoje à tarde, os dois vão ter mais uma chance de desencantar.

"Artilheiro realmente vive de gols e se incomoda quando não faz. O que posso oferecer é tranquilidade para deixá-lo trabalhar", disse Muricy, referindo-se a Washington. E garante que, se a bola não tem entrado, não é por falta de dedicação do atacante. "Ele nunca está no departamento médico e sempre quer trabalhar mais. Os gols vão voltar a sair". O Flu não vence há quatro jogos e perdeu a liderança para o Cruzeiro há duas rodadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.