Cinara Piccolo/Divulgação
Cinara Piccolo/Divulgação

Sem sofrer, Brasil vence o Japão no Mundial feminino de handebol

Seleção feminina ganha por 32 a 24 e agora se prepara para pegar a França, nesta terça

Nathalia Garcia - estadão.com.br,

05 de dezembro de 2011 | 21h25

SÃO PAULO - A seleção brasileira não teve dificuldade para vencer sua segunda partida no Mundial feminino de handebol. Sempre à frente no placar, a equipe superou o Japão por 32 a 24. O triunfo na noite desta segunda-feira, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, foi um passo importante na busca pela classificação à segunda fase.

Comandado pelo técnico dinamarquês Morten Soubak, o Brasil mostrou um desempenho melhor do que em sua partida de estreia contra Cuba. Ainda que tenha mostrado fragilidade em alguns lances táticos, as meninas aproveitaram as chances no ataque e conseguiram administrar bem a vantagem.

A ponta-direita Alexandra foi escolhida a melhor jogadora da partida. Com sete gols em oito arremessos, a jogadora comemorou o novo triunfo, mas também apontou erros na partida contra as japonsesas.

"Estamos felizes pela vitória. O time entrou e trabalhou forte, mas também tivemos alguns erros táticos", disse Alexandra. "Começamos concentradas, mas a atenção caiu. Amanhã, o objetivo é ter 60 minutos de concentração", concluiu.

A equipe brasileira volta às quadras nesta terça, às 19h45, contra a favorita França.

JOGO

As brasileiras começaram a partida colocando pressão nas adversárias e a meia-direita Deonise abriu o placar com menos de 1 minuto de jogo. Logo na sequência, a central Ana Paula ampliou. Nos primeiros minutos, equipe da casa marcou forte na defesa e o Japão errou bastante na finalização.

Apesar de o Brasil mostrar mais consistência, as japonesas marcaram dois gols seguidos e empataram a partida. A reação nipônica não intimidou o Brasil, que anotou quatro gols consecutivos e abriu uma vantagem confortável.

No ataque, as meninas do Brasil trocaram passes entre as armadoras e deixaram as pontas afundadas para abrir o setor defensivo. As brasileiras também se aproveitaram os contra-ataques simples (feito por uma única menina). A tática deu certo. As pontas Fernanda França e Alexandra deixaram suas contribuições.

Aos 15 minutos, o Japão evoluiu na partida e dificultou o ataque do Brasil. A meia-esquerda Eduarda Amorim, a Duda, passou a ser marcada individualmente por Shiori Nagata. A central Mayara também foi acompanhada de perto por uma das rivais, que tentava atrapalhar a formação ofensiva brasileira.

Mas a japonesa camisa 28 não conseguiu parar Duda; a meia foi para o ataque e sofreu uma falta, com direito à penalidade de 2 minutos para a adversária.

Aos 23 minutos, as nipônicas mostraram forte poder de reação e fizeram quatro gols consecutivos, reduzindo a diferença no placar. Pouco antes do fim do primeiro tempo, a torcida incentivou as brasileiras com gritos de 'defesa'.E etapa inicial terminou com a vitória parcial do Brasil por 16 a 12.

O segundo tempo começou equilibrado. O Japão apostou em uma defesa alta - na qual as jogadoras se posicionam na linha dos 9 metros - e bastante penetração no ataque. Já o Brasil fez passes rápidos para ganhar na qualidade individual de suas jogadoras para aproveitar os espaços e forçar a entrada livre na área.

Aos poucos, o Brasil conseguiu impor seu ritmo de jogo e os gols foram saindo. Por volta dos 12 minutos, a goleira Chana defendeu uma cobrança de 7 metros e a equipe da casa ganhou confiança para a sequência do jogo. Assim, o placar do jogo ficou mais elástico.

As reservas também entraram bem em quadra. Exemplo, foi a meia-esquerda Silvia Helena, que fez belos gols para o Brasil. No último minuto, Silvia roubou a bola e deixou a ponta Jessica sozinha para cravar a vitória brasileira: 32 a 24.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.