Sem sustos, São Paulo vence e avança

Time encerra jejum de 4 jogos sem vitória ao bater Ceará por 3 a 0 no Morumbi, acalma torcida e agora vai entrar na fase internacional da competição

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2011 | 00h00

Adilson Batista passou no primeiro grande teste ao colocar o São Paulo na fase internacional da Copa Sul-Americana. Pressionado por tropeços recentes no Morumbi, o técnico mostrou coragem para deixar Rivaldo no banco e foi recompensado: bateu o Ceará por 3 a 0 sem sustos e ganhou moral para o clássico contra o Santos, no domingo, agora pelo Brasileiro.

O São Paulo deslanchou no segundo tempo após uma primeira etapa pouco empolgante. Em apenas 20 minutos após o intervalo, os gols de Cícero, Lucas e Dagoberto deram tranquilidade. O próximo rival ainda está indefinido - tem boas chances de ser o Libertad, do Paraguai, que espera pelo vencedor do duelo entre o peruano Juan Aurich e o La Equidad, da Colômbia.

Numa noite fria em São Paulo, mais de 23 mil pessoas foram ao Morumbi para dar um voto de confiança a Adilson Batista. O preço reduzido dos ingressos, apenas um terço do valor normal, colaborou para o torcedor empurrar a equipe.

Em campo, o primeiro tempo deixou provocou preocupação. Com Rivaldo no banco, o São Paulo entrou com a dupla Fernandinho e Dagoberto à frente. Aos 30 minutos, porém, Fernandinho teve de sair e Cícero foi para o jogo.

Sem lances de perigo, apenas Dagoberto era capaz de produzir jogadas mais agudas. Com a volta de Casemiro, o meio-campo ganhou qualidade, mas a falta de um atacante de área era evidente.

Para a sorte do Tricolor, o Ceará veio apenas para se defender.

No segundo tempo, com a torcida desconfiada, tudo deu certo. Aos 10, quando já se ouvia das arquibancadas os pedidos por Rivaldo, Cícero foi lançado por Carlinhos Paraíba na área, dominou no peito e tocou antes da saída do goleiro para fazer 1 a 0.

Aos 16, foi a vez de Lucas, até então apático na partida, acertar um belo chute e ampliar.

O gol fez bem ao camisa 7, que vinha de fase pouco inspirada. Três minutos depois, ele achou Dagoberto livre na esquerda. O atacante chutou cruzado para fazer justiça à boa atuação.

Rivaldo entrou no lugar de Lucas pouco depois, mas a vitória já estava garantida. Desta vez, a torcida não teve do que reclamar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.