COB/Divulgação
COB/Divulgação

Sem verba, Rio tem outro teste para 2016 cancelado

Rio abre mão de sediar uma etapa da Copa do Mundo tiro por falta de recursos

Demétrio Vecchioli, Agência Estado

08 de outubro de 2013 | 12h33

SÃ PAULO - Não será em 2014 que o Complexo de Deodoro, principal legado estrutural dos Jogos Pan-Americanos do Rio/2007, será testado como palco do tiro esportivo na Olimpíada de 2016. O Rio havia conquistado o direito de sediar uma etapa da Copa do Mundo no ano que vem, mas o Brasil abriu mão de receber a competição. Falta recursos para organizar o evento e para reformar o Centro Nacional de Tiro Esportivo (CNTE). Neste ano, o Athina Onassis Horse Show, evento de hipismo que seria em Deodoro, também foi cancelado. Ambos serviriam com teste olímpico.

"Tínhamos que buscar um recurso, que havia sido disponibilizado pelo Ministério do Esporte, mas o período de captação ia coincidir com a data do evento. Já que não teria o recurso, preferimos desistir de organizar", explica Luciano Parreira Alves, secretário geral da Confederação Brasileira de Tiro Esportivo (CBTE). A Copa do Mundo da modalidade tem três tipos de eventos: etapas só de tiro ao prato, etapas só de rifle e pistola, e etapas com todas as provas olímpicas. A do Rio seria na primeira quinzena de abril de 2014, apenas com tiro ao prato. No Mundial da categoria, no fim de agosto, em Lima, Roberto Bastos foi oitavo colocado na Fossa Olímpica.

"Usualmente o repasse do Ministério tem sido no final de março, começo de abril, exatamente quando aconteceria a Copa do Mundo. A gente não poderia tentar fazer o evento sem recurso, porque pelo convênio a gente não pode pagar nada retroativo", explica Alves. Apesar do cancelamento da etapa de 2014, a CBTE tem certeza que receberá a Copa do Mundo em 2015, num evento com todas as provas olímpicas. Para isso, pedirá ao Ministério do Esporte dinheiro para realizar duas obras cobradas pela federação internacional: colocar uma barreira visual ao fundo do estande (atualmente pode-se ver a Avenida Brasil ao fundo, o que atrapalha o atirador) e fazer a terraplenagem do local. "É uma área de aterro, com o tempo isso foi cedendo", justifica o dirigente.

Deodoro recebeu a Copa do Mundo em 2008, logo depois de o local ser construído para o Pan, mas em seguida o Rio saiu do calendário. Quando voltar, também terá que trocar todos os alvos eletrônicos das provas de rifle e pistola, por equipamentos mais novos. A CBTE ainda quer fazer um "upgrade" sustentável no maquinário de lançamento de pratos, adquirindo equipamentos que funcionam com luz solar. "Queremos que fique tudo pronto em 2015. Não só pensando na Olimpíada, mas para que a equipe brasileira possa treinar um pouco mais com o que vai ser em 2016", comenta Alves. A ideia da CBTE é contratar um treinador cubano e deixá-lo morando no Rio, para treinar os atletas que se deslocarem até Deodoro.

Neste ano, o complexo esportivo recebeu uma etapa da Copa do Mundo de Pentatlo Moderno, mas viu ser cancelado o Athina Onassis Horse Show, principal evento de hipismo realizado no País, programado para o fim de outubro. "A insegurança causada pelas dificuldades no cumprimento do cronograma de obras de infraestrutura do centro de hipismo e de seu entorno inviabilizou a realização do evento", explicaram os organizadores, na ocasião.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio 20162016tiro esportivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.