''Seneme teria de apitar a finalíssima, não eu''

Juiz da decisão de domingo reclama das críticas, mas admite não merecer estar em Corinthians x Santos. ?O sorteio é algo ruim?

Eduardo Maluf, O Estadao de S.Paulo

30 de abril de 2009 | 00h00

Sálvio Spínola Fagundes Filho não merecia estar na final de domingo, entre Corinthians e Santos, em que será conhecido o campeão paulista de 2009. A opinião é do próprio Sálvio, sorteado ontem para apitar o mais importante jogo da competição. O árbitro de 39 anos - funcionário de uma empresa da área têxtil -, em declaração pouco comum, disse que o melhor do Estadual foi Wilson Luiz Seneme e, por isso, o colega deveria trabalhar no confronto do Pacaembu. "Mas, infelizmente, por uma lei federal, há o sorteio, que é muito maléfico à arbitragem", afirmou, em entrevista ao Estado, ontem. Seneme foi sorteado para o primeiro jogo, na Vila Belmiro, e, assim, acabou ficando fora da disputa da finalíssima.Sálvio é quem vai encerrar o Campeonato Paulista, mesmo depois de duas atuações polêmicas nas semifinais. Foi criticado por são-paulinos por não ter expulsado Ronaldo no Pacaembu e por palmeirenses e santistas por causa da confusão envolvendo o zagueiro Domingos e o meia Diego Souza, no Palestra Itália. Vanderlei Luxemburgo e Vágner Mancini atacaram o árbitro sem muita economia, algo que ainda o incomoda. "Não posso achar (o ataque dos treinadores) normal, porque tenho família, porque minha filha vai à escola... Mas vou superar isso."O que muda em sua rotina nestes dias que antecedem a final?Precisamos estar bem preparados. Já estou concentrado desde segunda-feira, porque sabia que poderia ser sorteado. Cuido da alimentação. Hoje (ontem), por exemplo, fui treinar na pista de atletismo às 7 horas. Já falei com meus assistentes. Os assistentes e eu vamos para um hotel já no sábado, ficaremos concentrados juntos, algo proporcionado pela Federação Paulista.Acha que o jogo pode ser mais fácil de se apitar por causa da vantagem do Corinthians?De forma nenhuma, o resultado de um trabalho vai estar em jogo nos 90 minutos. Os três melhores trios de arbitragem do Paulista vão ser premiados pela FPF (R$ 200 mil, R$ 100 mil e R$ 50 mil). Se pudesse votar, escolheria quem?Votaria no (Wilson Luiz) Seneme por todo o campeonato que fez. Foi o melhor e é o melhor do Brasil no momento. Então não se acha o melhor, apesar de apitar a final de domingo?Não. O Seneme e sua equipe (os assistentes) estão muito à frente hoje. Ele teria de apitar a final. Mas, infelizmente, temos o sorteio no Brasil. Se fosse por escala, e não por sorteio, ele mereceria estar na finalíssima. O sorteio é muito maléfico para a arbitragem e para o futebol, prejudica a todos.Na semifinal Corinthians x São Paulo, no Pacaembu, você não expulsou o Ronaldo por ter dito que não viu o lance na hora. Depois, pela televisão...Não, nunca falei isso. Estão pondo palavras que jamais disse. Realmente o que a imagem mostra na televisão não é o que se vê no campo, mas eu não disse isso.Esse foi seu maior erro?Não quero lembrar de coisa ruim, estou concentrado na final. Quero lembrar Corinthians x São Caetano, River x Nacional, Bahia x Vitória, jogos em que fui bem... Foram falar (Luxemburgo, após derrota na semifinal) de um jogo do Adriano no ano passado (São Paulo x Santos, em que o atacante, provocado por Domingos, foi expulso). Não dá... Então ficou chateado com as críticas dos técnicos (principalmente Luxemburgo e Mancini)?Não posso achar tudo isso normal, porque tenho família, porque minha filha vai à escola, mas vou superar isso.Já se acostumou...Não, mas (crítica) é algo inerente ao árbitro. Veja o que houve com o (Carlos Eugênio) Símon, que tem uma carreira brilhante (deu um pênalti inexistente na final do Cearense, entre Ceará e Fortaleza, no domingo). Um erro vai prejudicar uma carreira toda?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.