Damir Sagolj/Reuters
Damir Sagolj/Reuters

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Sensação dos Jogos do Rio, Simone Biles afirma ter sido abusada sexualmente

Campeão olímpica acusa o médico Larry Nassar: 'agora eu sei que não é minha culpa', escreveu

Estadao Conteudo

15 Janeiro 2018 | 20h42

Simone Biles, multimedalhista olímpica, afirmou ter sido abusada sexualmente por um ex-médico da equipe de ginástica artística dos Estados Unidos que agora está preso. A atleta, que ganhou quatro medalhas de ouro e cinco no total nos Jogos do Rio, em 2016, divulgou uma declaração em suas redes sociais nesta segunda-feira dizendo que ela é uma das "muitas sobreviventes" que foram abusadas por Larry Nassar.

+ Conheça a ginástica artística

"Eu também sou uma das várias sobreviventes que foram abusadas sexualmente por Larry Nassar. Acredite em mim quando digo que foi muito mais difícil expressar essas palavras em voz alta do que foi agora para colocá-las no papel. Há vários motivos para eu relutar em contar minha história, mas agora eu sei que não é minha culpa", afirmou Biles, explicando que não tem mais medo de contar sua história.

Nassar, que passou mais de duas décadas como médico da equipe de ginástica dos EUA, enquanto trabalhava na Universidade Estadual de Michigan, admitiu ter abusado sexualmente das ginastas, possuir pornografia infantil, além de ter molestado as meninas que buscavam tratamento médico. Ele foi condenado em dezembro a 60 anos em prisão federal por possuir pornografia infantil e enfrenta acusações de mais 40 a 125 anos de prisão depois de se declarar culpado de abusar de sete meninas.

Biles, agora com 20 anos, chamou o comportamento de Nassar de "completamente inaceitável, nocivo e abusivo, especialmente de alguém a quem me disseram para confiar". Ela se juntou a uma lista de ginastas de alto nível que denunciaram Nassar, incluindo a seis vezes medalhista olímpica Aly Raisman, a campeão mundial de 2012 Gabby Douglas e a duas vezes medalhista olímpica McKayla Maroney.

"Por muitas vez me questionei. Eu estava sendo muito ingênua? Foi minha culpa? Agora eu sei responder a estas perguntas. Não, não foi minha culpa. Não, eu não devo carregar uma culpa que pertence a Larry Nassar, USAG e outros", comentou Biles, pedindo privacidade neste momento. "Preciso de mais tempo para trabalhar essas coisas dentro de mim."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.