Reprodução/ESPN
Reprodução/ESPN

Separados pela pandemia, Amigão e Antero retomam parceria célebre na televisão

Figuras conhecidas do jornalismo esportivo, apresentadores voltam ao comando do SportsCenter, da ESPN, nesta segunda-feira após 19 meses

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2021 | 15h00

“Cadê o Amigão? Ele saiu?” Essas foram as perguntas que Antero Greco mais ouviu e leu pelas redes sociais em boa parte dos últimos 19 meses de quem o acompanha na televisão. Nesse período, Paulo Soares, o Amigão da Galera, esteve afastado dos canais esportivos da Disney. O apresentador ficou recluso no interior de São Paulo e preferiu não trabalhar remotamente durante a pandemia de covid-19, como fizeram seus colegas. Mas o longo tempo ausente é passado. Antero e Amigão retomam a famosa parceria nesta segunda-feira, dia 18, quando voltam a apresentar a edição noturna do SportsCenter, da ESPN, a partir da meia-noite.

“Nossa ideia é seguir o que a gente faz há 20 anos. Vamos fazer o nosso jornal com a nossa cara e o nosso jeito”, disse o Amigão ao Estadão. Ele e Antero Greco completariam duas décadas ininterruptamente à frente do SportsCenter no ano passado não fosse a pandemia de covid-19, que os separou por mais de um ano. 

O comentarista, de 65 anos, permaneceu longe dos estúdios, mas continuou trabalhando remotamente, de suas casas, no interior ou em São Paulo, fazendo parte da programação dos canais ESPN e Fox Sports, enquanto o apresentador, de 58 anos, preferiu descansar e, claro, se proteger do vírus. 

“Peguei minha mulher, meu cachorrinho e fui me esconder no interior até entender o que estava acontecendo de fato. Vivi praticamente nove meses numa zona rural, com uma internet de dois megas, o que não me permitia nem trabalhar de casa”, explica o jornalista. Assustado com a gravidade da doença, que vitimou mais de 600 mil pessoas no País, Amigão passou os primeiros meses da pandemia em Araras, no interior paulista, com a família. Depois, pediu licença sem remunerada para a Disney e ficou mais alguns meses em um Spa em Sorocaba, sem se relacionar com outras pessoas.

“O Amigão tem de ser cortejado. Eu que o procurava”, brinca Antero. “Conversamos muito nesse período. Eu ia passando para ele o que acontecia na televisão para se sentir um pouco integrado e também passar ânimo para no período em que esteve afastado”.

Com o arrefecimento da pandemia e o avanço da vacinação, os dois apresentadores entenderam que era o momento de voltar a comandar a edição da meia-noite do principal programa da ESPN Brasil, em que levam informação com leveza ao público desde 2000. “Agora, com as duas doses, mais ambientado, e entendendo o andamento da pandemia, estou começando a encontrar as pessoas. Achei que era o momento, que seria legal voltar em outubro”, conta o âncora do SportsCenter. Ele e Antero se encontraram na semana passada pela primeira vez desde março de 2020 para gravar os pilotos do telejornal esportivo.

Os dois tiveram sentimentos díspares assim que retornaram ao estúdio. “Quando fizemos o primeiro piloto, eu me emocionei. Dei uma emoção, mesmo na descontração. E também uma certa preocupação por estar saindo do casulo depois de tanto tempo. Mas ao mesmo tempo senti a alegria, aquela expectativa de poder voltar a ter algo pelo menos mais próximo do normal”, descreve Antero.

Figuras muito conhecidas no jornalismo esportivo, Amigão e Antero formam uma das parcerias mais duradouras da televisão brasileira. Ao longo de quase 20 anos, os inseparáveis parceiros informam as notícias ao telespectador de uma forma irreverente e descontraída sem abrir mão do profissionalismo. Não é incomum terem crises de riso ao vivo, por diferentes motivos, que acabaram se tornando virais.

“A gente percebe que as pessoas nos curtem pela nossa imagem sincera e verdadeira. A gente não faz gênero. Não criamos personagens. Somos nós lá”, afirma Antero, que toma o cuidado, ele ressalta, de conferir leveza à notícia sem ser leviano. “O jornal é 99,9% sério. O 0,1% que tem a leveza, a brincadeira, que é algo natural nosso, não é programado. Tem que ser espontâneo. Não somos atores”.

Juntos, os dois jornalistas conseguiram ampliar e diversificar o público que os assiste. “Percebemos que falamos para todos. Homens, mulheres, garotinhos, garotas. Isso tudo passa pela espontaneidade. Conseguimos criar um elo de carinho e respeito, atingindo todas as classes e ideias”, opina Amigão.

Se a emoção veio à tona quando se encontraram para a gravação dos pilotos do programa, como será ao vivo, nesta segunda? “O Antero vai ter de apresentar o programa. Vou ficar só sentado. Não vai sair”, prevê o emotivo apresentador. Certo é que, se depender deles, a história da parceria vai perdurar por mais anos. “Vamos estar de bengala, mas estaremos firmes e fortes".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.