''Serei ainda melhor neste ano''

Camisa 10 tricolor festeja o ótimo momento, diz que está evoluindo em relação a 2008 e aposta na conquista de mais títulos

Entrevista com

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2009 | 00h00

Primeiro, foi a unanimidade. Depois, a camisa 10. E não há quem, hoje, conteste a importância de Hernanes. Considerado um dos poucos craques em atividade no País, o volante são-paulino está aprendendo a ser o armador que o técnico Muricy Ramalho sempre quis. E admite: é um camisa 10 diferente, que arma, defende, finaliza e dá assistências. Em 2007, temporada em que surgiu, marcou um gol a cada nove jogos. Neste ano, comemorou um a cada três.O rendimento tem sido bom, mas não o suficiente para seduzir Dunga - o chamado para a seleção não vem desde a Olimpíada de Pequim, em agosto. Algo que não preocupa o jogador de 23 anos. "Conforme for crescendo, sei que estarei lá", disse o são-paulino ao Estado. E garante: neste ano, será ainda melhor que em 2008, quando foi eleito o craque do Brasileiro.Nos últimos anos o São Paulo buscava um camisa 10. E a solução, no fim, foi caseira. Como você se sente nessa nova fase?Tem sido muito legal. No começo até ficava me protegendo um pouco, para que as pessoas não começassem a pensar que só porque eu era o camisa 10, resolveria tudo. Porque eu acho que eu sou um camisa 10 diferente, não só um meia ofensivo. Sou mais completo, um jogador que defende, que desarma, chega à frente, finaliza, dá assistência... Por isso está bem legal: eu estou conseguindo ser o que buscava, um jogador completo.Qual é a diferença do Hernanes "achado" pelo Muricy em 2007 para o Hernanes de hoje?Tudo foi fruto de um trabalho de orientação e eu sempre estive aberto a evoluir. Mas o que mudou mesmo foi a confiança, o entendimento, a fé. Sempre treinei todos os fundamentos, sempre trabalhei de tudo. Sempre quis ser perfeito e essa é a minha meta.E quanto da sua meta você já atingiu? Você é muito novo, tem 23 anos, não deve estar nem perto dos 100%...Ainda falta o cabeceio, um ponto em que preciso melhorar. Quero fazer mais gols de cabeça (o único que marcou foi quando jogava no Santo André, em 2006). Mas sempre aparece algo diferente em um treinamento, quando você percebe que bate na bola de um jeito e... eita! É melhor assim! Vou sempre encontrando maneiras de melhorar o que já fazia. A camisa 10 já está confortável?Eu estou tranquilo. No ano passado, dizia que este ano seria melhor, porque sei do que ainda posso fazer. Nunca senti pressão pela camisa 10, pelo contrário, sempre quis usá-la. Só me preocupava pensar em como as pessoas passariam a me olhar, se iriam achar que de repente eu tinha virado um gênio...Mas você foi uma unanimidade no ano passado e, ainda assim, diz que não fez o seu melhor. O que ainda se pode esperar?Eu não gosto muito de falar, prefiro fazer. Mas os números já comprovam um pouco da evolução. Eu prefiro ficar calado e os números evidenciarem isso. Vou ser melhor e acho que já estou sendo.Com a evolução em campo e com os elogios recebidos, como explicar sua ausência na seleção desde a Olimpíada?São os mistérios, né? Eu não poderei entrar nesse mérito. Só posso dizer que vou continuar fazendo o que tenho feito. É inevitável que eu alcance alguns objetivos. Estou tranquilo quanto a isso.Então está apostando que será incontestável daqui a um tempo?Nunca penso que o outro está de sacanagem, que o outro não quer. Penso que sou eu, que a responsabilidade está sobre mim. Não me preocupo, sei que não é trairagem. A bola está comigo. Conforme for crescendo, sei que chegará o tempo em que estarei na seleção. A Copa é o objetivo?Sem dúvida, quero estar lá.No ano passado, especulações te colocaram no Barcelona. A transferência para o exterior vem este ano?Eu estou tão tranquilo, amadurecido, sem questões na minha consciência, que me tornei uma pessoa sem ansiedade. Não crio expectativas. Eu sei que as coisas vão acontecer, mas não sei quando. Eu estou feliz, feliz demais. Minha esposa está grávida de novo, de quatro meses, e diz: "Por que você não faz como o Rogério Ceni e fica para sempre aqui?" Não há aquela coisa de que eu preciso ir embora, mas eu entendo que isso vai acontecer.Qual é a sua motivação no São Paulo nesta temporada?Tudo começou a mudar pra melhor na minha vida quando eu tive a seguinte interpretação das coisas: conversando com o Jean sobre a nossa chegada ao São Paulo, vi que foi tudo muito sofrido e que não estamos aqui por acaso. Há um propósito maior. Guardei isso no meu coração. Conquistei dois títulos, mas ainda não é recompensa por tudo o que passei. Então, estou apostando, quero mais (títulos) para sair daqui ou para ficar, como diz a minha esposa, igual ao Rogério Ceni. É o que me motiva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.