Serena x Safina, pela supremacia

Americana e russa se enfrentam amanhã na decisão do Aberto da Austrália. Quem vencer será a nova n.º 1

Melbourne, O Estadao de S.Paulo

30 de janeiro de 2009 | 00h00

A final feminina no Aberto da Austrália, entre Dinara Safina e Serena Williams, a partir das 6h30 de amanhã, terá como principal atrativo a definição da nova tenista número 1 do mundo no ranking mundial, mas outros ingredientes tornam o encontro singular e interessante. Apesar das diferenças de origem, a primeira é russa, a segunda americana, as duas têm muito em comum.O favoritismo, a experiência e a mística estão ao lado de Serena no duelo pelo primeiro título de Grand Slam de 2009. Se ganhar a final, a americana, de 29 anos, manterá a tradição de conquistar o Aberto da Austrália em anos ímpares - foi campeã em 2003, 2005 e 2007 - e retornará ao posto de número um do mundo que conheceu em outras ocasiões da carreira. A adversária ainda não sabe qual é o gostinho de chegar ao topo, mas luta por esse objetivo, que atingirá pela primeira vez com vitória na final em Melbourne.Serena e Dinara têm muito em comum. As duas só contam com o talento para ganhar visibilidade, ao contrário de adversárias como a russa Maria Sharapova e a sérvia Ana Ivanovic, tenistas que aliam extrema competência à beleza física. As finalistas do Aberto da Austrália também tiveram de se esforçar para escapar da obscuridade diante de irmãos vencedores: Venus no caso de Serena e Marat Safin no de Dinara.Dinara, que para chegar à final em Melbourne derrotou a compatriota Vera Zvonareva por 6/3, 7/6 (7/4), ainda engatinha no objetivo de se destacar. Serena já alcançou grande destaque. Ao derrottar a russa Elena Dementieva nas semifinais por 6/3 e 6/4, a americana passou a ser a atleta que mais ganhou com premiações em eventos esportivos em toda a história: US$ 22.725.475,00, (R$ 52.154.965,12), superando a golfista sueca Annika Sorenstam, US$ 22.573.475,00 (R$ 51.806.125,12). "A verdade é que estou lidando com meu desempenho, não sei por que motivo", admite a tenista, que diz ter feito boa pré-temporada. Dinara quer ser vitoriosa como o irmão, mas luta para se desvencilhar de sua imagem negativa de baladeiro. "O máximo que bebo é uma taça de vinho", respondeu na última entrevista. Se ganhar o título, como Safin fez em 2005, sabe como usar parte do US$ 1 milhão. "Comprarei um presente de aniversário para meu irmão."No masculino, Roger Federer foi à final ao bater Andy Roddick (6/2, 7/5 e 7/5).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.