Sérgio Negão nega assédio sexual

O técnico do Flamengo/Campos de vôlei, Sérgio Negão, negou hoje as acusações da jogadora Gisele Gomes, que depois de ser dispensada disse que o treinador a assediou sexualmente. Ela registrou queixa contra Negão na 134.ª DP (Campos). ?A Gisele foi dispensada por deficiência técnica e, infelizmente, reagiu dessa forma. Sou um profissional sério, nunca passei por isso e tenho uma carreira a zelar?, declarou o treinador, em entrevista por telefone para a Agência Estado. ?Ela não conseguiu atingir o nível físico e técnico que queríamos. Por isso, tomou tal atitude?. Negão compareceu hoje à delegacia para prestar esclarecimentos e também abriu duas queixas contra a atleta. Uma por calúnia e a outra, por denúncia caluniosa. Fora isso, estuda também processo na área cível por perdas e danos. O técnico, de 44 anos, 25 deles dedicados ao vôlei, passou boa parte do dia reunido com seus advogados. De acordo com reportagem do ?Jornal dos Sports?´ publicada no sábado, a jogadora contou que o treinador pediu favores sexuais em troca de vaga no time. Segundo o JS, Gisele procurou o treinador a quem pediu um lugar na equipe titular. Ele teria, então, convidado a jogadora para conversar sobre o assunto em seu apartamento. O treinador, segundo a matéria do jornal carioca, afirmara que a carreira dela no vôlei cresceria rapidamente caso se tornasse sua amante. Na denúncia, a atleta teria dito que o treinador estava disposto a pagar por isso. Na entrevista ao JS, ela disse que recusou a oferta e, por isso, passou a ser pressionada até ser dispensada. Gisele assinou contrato com o Flamengo em 1º de setembro por 10 meses. Passados três meses, ela foi reavaliada pela comissão dirigida por Negão e apresentou deficiência física e técnica. Foi cortada da delegação para treinar em separado, mas não aceitou passar por essa situação. De acordo com Negão, a atleta não ?baixou o nível?, mas fez acusações contra companheiras de equipe, o que o levou a dispensá-la. ?Não havia mais ambiente para ela continuar no clube. Ela não tem noção do que fez.? O diretor de Esportes Olímpicos do Flamengo, Ércio Braga, estranhou a atitude da jogadora. ?Só depois que ela foi dispensada, prestou queixa à polícia. Por que não falou antes com a gente? Tomei um susto com isso?. O dirigente garantiu que o treinador só perderá o emprego se a denúncia for confirmada. ?Ele tem uma história no volêi e nunca pesou nada contra ele. Eu o conheço, mas a atleta, não. Por isso, não posso falar sobre ela friamente?. Braga informou ainda que a diretoria do Flamengo se reunirá amanhã para, provavelmente, instaurar sindicância interna a fim de apurar os fatos.

Agencia Estado,

12 de dezembro de 2005 | 20h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.