Servilio de Oliveira elogia Popó

Dono do melhor resultado da história do boxe amador brasileiro, uma medalha de bronze na Olimpíada do México/68, Servílio de Oliveira ficou empolgado com a apresentação de Popó em Las Vegas. Ele disse que ficou surpreso com a forma do campeão mundial. "Foi bem além do que eu imaginava. Achei que o Popó teria chance de vencer por nocaute até o quinto assalto. Depois ficaria difícil. Mas ele mostrou que tem resistência para enfrentar uma luta longa", disse.Servílio disse que a polêmica sobre o resultado da luta é tola. "Esses caras que estão dizendo que o Casamayor foi melhor estão loucos. Em boxe profissional, vale muito a iniciativa, o ataque, e Popó foi para cima desde o começo da luta. Nos cinco primeiros assaltos, ele cercou o Casamayor o tempo todo. O máximo que podem reclamar é que realmente não houve golpe para se abrir a contagem contra o Casamayor no terceiro assalto. O golpe passou no vazio", afirmou ele, enquanto revia a gravação do combate.Para Servilio, Popó já pode entrar na lista dos maiores pugilistas brasileiros de todos os tempos. "Por enquanto, não dá para comparar com o Éder Jofre, mas ele já é um dos melhores. E acho que tem muito pela frente. Creio que se ele enfrentar o Floyd Mayweather (campeão mundial pelo Conselho Mundial de Boxe), vai vencer e se tornar o rei da categoria", disse.Popó foi o terceiro brasileiro a conseguir um título mundial em uma das três melhores entidades que controlam o boxe mundial. Em 1960, Éder Jofre venceu o mexicano Eloy Sánchez por nocaute, em Los Angeles, conquistando o primeiro cinturão mundial para um brasileiro.Na época, o boxe também tinha controle dividido por duas entidades. Jofre era campeão da NBA, que deu origem à mesma AMB que Popó conquistou o título no sábado. Na época, também existia a União Européia de Boxe. O combate unificatório foi em 1962, em São Paulo, e Éder venceu.O brasileiro teve problemas com o excesso de peso e foi derrotado duas vezes, em 1965 e 66, pelo japonês Masahiko Harada. Em 1973, conquistou o título dos penas. Em 1975, Miguel de Oliveira se tornou o único brasileiro a conquistar um título do Conselho Mundial de Boxe, a mais importante entidade mundial. Miguel foi campeão dos médio-ligeiros, mas perdeu o título na primeira defesa.

Agencia Estado,

13 de janeiro de 2002 | 21h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.