Sete atletas somem nos Jogos da Comunidade Britânica

Sete atletas de Serra Leoa desapareceram desde a noite de terça-feira da concentração de sua delegação no Commonwealth, os Jogos da Comunidade Britânica, em Melbourne. Três homens e três mulheres da equipe de atletismo, além de um levantador de peso, juntam-se aos casos do boxeador Omari Idd Kimweri, da Tanzânia, e do corredor Mohammad Tawhidul Islam, do Bangladesh, que também sumiram desde o início da semana.O porta-voz da delegação, Robert Green, admitiu que eles podem pedir asilo político na Austrália. Não seria novidade: na edição anterior dos Jogos, há quatro anos, em Manchester, na Inglaterra, 21 atletas de Serra Leoa desertaram da delegação. O país vive uma situação econômica muito ruim, depois de décadas de guerra civil."É claro que temos preocupação com a segurança deles, mas temos a esperança que retornem", afirmou, ressaltando que todos deixaram para trás roupas e objetos pessoais. Os Jogos se encerram nesta sexta-feira, e a viagem de volta está marcada para sábado. Dos sete atletas desaparecidos, apenas um está com o passaporte - os demais deixaram o documento com os chefes de delegação.O visto de permanência dos atletas na Austrália vence no dia 26 de abril. "Até lá, são livres para desfrutar de nosso país", disse a chefe de polícia do Estado de Vitória, Christine Nixon.DopingDois levantadores de peso da Índia registraram positivo para exames antidoping: Edwin Raju, quarto colocado na categoria até 56 kg, e Tejinder Singh, eliminado no peso até 85 kg, foram pegos em exames realizados quatro dias antes do início dos Jogos, o que pode resultar na suspensão do país de todas as competições internacionais.As regras da Federação Internacional de Levantamento de Peso prevêem suspensão e multa para os países que tiverem pelo menos três casos de doping no período de um ano. Um mês antes do Commonwealth, Shailaja Pujani, medalha de ouro em Manchester-2002, foi pego no antidoping e proibido de disputar os Jogos. Como a Índia já foi punida com um ano de afastamento, em 2004, a punição desta vez pode ser maior e chegar a até cinco anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.