Shakira, a grande estrela da abertura

Colombiana é o principal nome da festa marcada para 10 de junho, um dia antes de a bola rolar com África do Sul x México

JOHANNESBURGO, O Estadao de S.Paulo

18 de março de 2010 | 00h00

Shakira, Alicia Keys, Black Eyed Peas. A Fifa e os organizadores da Copa do Mundo da África do Sul estão mesmo dispostos a fazer do show de abertura um espetáculo inesquecível. A participação da cantora colombiana, da estrela americana e do grupo californiano naquele que já está sendo considerado "o maior espetáculo de todos os tempos na África"" foi anunciada ontem. A eles se juntarão estrelas da música do continente.

O show está marcado para 10 de junho, um dia antes de a bola rolar, no Estádio Orlando, em Soweto. A renda será destinada à construção de 20 centros de saúde, educação e também de formação de jogadores de futebol em vários países do continente. Estão à venda 30 mil ingressos, a preços que variam de 450 rands (R$ 108) a 1.150 rands (R$ 278).

Em campo, a Copa começa de maneira efetiva em 11 de junho, com a partida entre África do Sul e México, no Soccer City. O estádio, aliás, teve adiada de 24 para 26 de março a sua "inauguração"" - na realidade, um jogo entre operários que participam das obras de reforma do local.

Normalmente, a cerimônia de abertura ocorre no mesmo dia da partida inaugural - precede o rolar da bola. A Fifa e o Comitê Organizador optaram por dias diferentes com o objetivo de marcar a inédita Copa na África. No dia 11, também haverá um evento do Soccer City.

Shakira vai ser a principal estrela do espetáculo. Em 2006, a colombiana cantou na festa de encerramento da Copa da Alemanha.

Também têm participação confirmada no show musical, entre outros, a cantora beninense Angélique Kidjo, os grupos sul-africanos The Parlotones e BLK JKS, os cantores do Mali Amadou e Mariam, Tinariwen e Vieux Touré. Ainda serão convidados alguns artistas africanos e de outros continentes.

O espetáculo terá a presença de várias estrelas do futebol do passado, além de intelectuais africanos contemporâneos.

O secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, aproveitou a divulgação dos primeiros nomes que estarão presentes ao show para fazer um pouco mais de propaganda da Fifa e sua missão de integrar e ajudar no desenvolvimento dos povos.

"Emociona à Fifa organizar um concerto de tamanha magnitude e com as atuações de excelentes artistas"", discursou Valcke. "Trata-se de uma prova do poder universal e unificador do futebol e da música, que dará a medida exata para iniciar a celebração (da Copa)"", completou.

A Fifa contratou a empresa de Kevin Wall, premiado produtor, ganhador entre outros do Emmy, para organizar o espetáculo. Wall diz estar totalmente consciente da importância histórica que representa a primeira Copa do Mundo em continente africano e prometeu à entidade fazer algo inédito e inesquecível.

"Acreditamos que o esporte e a música transcendem as barreiras culturais, geográficas e de idioma"", afirmou Wall. "Vamos fazer do concerto de abertura um momento digno de se viver."" O produtor não divulgou detalhes da festa.

Pirataria. No entanto, nem tudo gira em torno da festa na Copa da África. Ontem, por exemplo, foi apreendido em Durban um carregamento de camisas falsificadas. Havia material de várias seleções, entre elas as do Brasil, África do Sul, França e Portugal. As autoridades sul-africanas avaliaram a carga em 5 milhões de rands (R$ 20,6 milhões).

Durban vai receber várias partidas da Copa. Brasil e Portugal jogam lá no dia 25 de junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.