Show brasileiro na estréia de Pato

Ronaldo (2), Kaká e Pato marcam nos 5 a 2 do Milan sobre o Napoli

Milão, O Estadao de S.Paulo

14 de janeiro de 2008 | 00h00

A estréia de Alexandre Pato na Série A da Itália não poderia ter sido melhor. Além de marcar um golaço na vitória de 5 a 2 do Milan, o jovem atacante paranaense participou com méritos do show de bola do trio brasileiro integrado também por Ronaldo, que voltava ao time e autor de dois gols, e de Kaká, que igualmente deixou sua marca. Pato foi aplaudido o tempo todo pela empolgada torcida do Milan, que viu seu time ganhar pela primeira vez no Estádio San Siro no Campeonato Italiano da atual temporada. Nos primeiros minutos, o jovem atacante, de 18 anos, sofreu com a forte marcação. Mas a partir do momento em que passou a se antecipar na recepção do passe, Pato começou a infernizar os adversários. Sem ser mero coadjuvante dos outros compatriotas mais famosos, o candidato a astro ficou torcendo na conclusão de Ronaldo, livre na área, aos 9 minutos, para fácil defesa do goleiro, e no chute de Kaká por cima do travessão, dois minutos depois.Pato mostrou faro de gol aos 14 minutos, quando o Milan abriu a contagem. Após várias trocas de passes, Pirlo serviu para Ronaldo; o chute saiu em cima do goleiro, mas a bola foi para o gol. Pato (com a cabeça) e Cupi (com o pé) ainda dividiram sob o travessão e o juiz deu o gol (de Ronaldo), para desespero da zaga napolitana, que reclamou impedimento de Pato.Animado pelo lance, e pelo apoio de companheiros e torcida, Pato seguiu ameaçando: aos 30, acertou uma bomba de fora da área e o goleiro Iezzo rebateu. Aos 27, porém, o Napoli, que nada fizera, chegou ao empate: depois de um cruzamento da esquerda para a direita, Lavezzi serviu na pequena área para Sosa completar no canto direito.Mas o Milan continuou sendo impulsionado pelo trio brasileiro. Aos 30, depois de Iezzo salvar em duas finalizações de Pato, Seeedorf chutou para a rede. A marcação deficiente do Milan deixava o limitado time do Napoli sempre com um jogador livre para receber a bola. E foi assim que aos 37 Lavezzi entrou na área e foi derrubado: Domizzi cobrou o pênalti no canto direito e empatou.No início do segundo tempo, brilhou mais uma vez a estrela de Ronaldo: voltou a desempatar o jogo ao desviar de cabeça um cruzamento perfeito de Seedorf, outro grande destaque da partida.A partir daí só deu Milan, pois o Napoli foi obrigado a abandonar seu esquema. Com a entrada de Emerson no lugar de Ronaldo, para reforçar o meio-campo, o Milan passou a ditar o jogo. Aos 22, Kaká recebeu na entrada da área e acertou uma bomba no canto direito de Iezzo, liquidando a partida.Faltava o gol do estreante. E apareceu no estilo dos grandes craques. Depois de lançamento de Favalli, Pato correu mais do que o zagueiro Grava, que tentou agarrá-lo, e chutou por baixo do goleiro, que saltou ao imaginar que levaria chapéu: 5 a 2 e festa no San Siro. Na comemoração, choro e homenagem à namorada, Stephany Brito, que estava na tribuna.Pato continuou infernizando os rivais. Principalmente o uruguaio Gargano, que foi expulso no final ao derrubar a nova estrela do Milan, que admitiu nervosismo no início. "Eu não sou um fenômeno, o Ronaldo é que é. Eu disse isso para ele depois do primeiro gol", declarou Pato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.