Imagem Antero Greco
Colunista
Antero Greco
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Símbolo improvável

A Bolívia foi palco, há quatro décadas e meia, da consolidação do mito Che Guevara. Desde que foi assassinado pelo exército local, em La Higuera, várias gerações cultuaram a lenda do guerrilheiro argentino, e a imagem dele ainda hoje circula pelo mundo, em pôsteres ou impressa em camisetas. Muitos moços nem sabem quem tenha sido, nem o que tenha feito, mas desfilam no peito com o que consideram talvez um ícone pop.

Antero Greco, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2013 | 02h04

Nestes anos iniciais do século 21, o país andino, por infeliz coincidência, pode servir de marco na luta contra a barbárie nos estádios. Um jovem nativo, quem sabe, não se torne símbolo de campanha pela paz entre torcidas? A memória do adolescente Kevin Beltrán Espada será respeitada de fato não só se houver a punição dos responsáveis pela estúpida morte, ocorrida na quarta-feira à noite, com o impacto de um foguete sinalizador que desfigurou seu rosto. Mas sobretudo se o sacrifício involuntário da vida dele desencadear um movimento de conscientização de que os campos de futebol são locais de alegria e de liberdade, e não de dor e extermínio.

A imolação do rapaz de 14 anos precisa servir de referência para ações honestas, perseverantes e justas, que protejam os fãs de esporte e inibam os terroristas das arquibancadas. O inocente que caiu, tão logo o San José sofreu gol do Corinthians, tem de ser tomado como bandeira pelos cartolas bolivianos, brasileiros, sul-americanos, mundiais ou sei lá mais quem, numa cruzada contra os insensatos que se consideram super-heróis porque brigam, matam e morrem pelo time ou pela organizada.

Pausa. Os três parágrafos iniciais desta crônica soam como divagação e fantasia? Concordo. Deixei-me levar por entusiasmo, o que nem sempre cai bem para um homem maduro. Devaneio e tanto imaginá-lo emblema como o Che. Um participou de revolução, o outro não passava de menino comum interessado em jogo de bola. O primeiro derrubou um regime, o segundo, provinciano, tinha aproveitado a noite de folga para curtir uma partida da Libertadores. "Libertadores" também parece ironia...

O destino mais provável de Kevin é cair no esquecimento, exceto para os parentes, que carregarão a lembrança dura da perda e ficarão à espera de justiça. O mundo tem pressa, os assuntos não podem demorar-se nas páginas dos jornais, na tevê, ou na internet. O público continuadamente pede temas novos e vibrantes. Caso contrário, bate a monotonia e... a audiência despenca.

O roteiro é conhecido e repetitivo. O momento inicial provoca impacto, cólera, uma enxurrada de comentários nas redes sociais e pedidos de atitudes firmes. Dirigentes, políticos, especialistas, peritos, polícia são ouvidos e prometem medidas drásticas. Suspeitos são detidos e paira no ar sede de vingança a todo custo.

Aos poucos, a ira arrefece e o discurso muda. Espera aí, não foi bem assim, não houve intenção de matar, que é isso, ninguém é bandido, o pessoal abusou um pouco, puxa aquilo acabou com nossa animação, foi mal mesmo, fazer o quê?, vamos dar força pra família. O blablabá de costume.

As reflexões em torno da gravidade do episódio já descambaram para polêmicas com ranço clubístico, numa leviandade de embrulhar o estômago. O Corinthians, em princípio solidário no drama de Kevin, foi previamente punido pela Conmebol, mas recorre e alega prejuízos se tiver de jogar com estádio vazio. A torcida prepara ato de desagravo, porque se sente aviltada com os portões fechados.

Não, Kevin não será um Che.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.