Ashley Landis / AP
Ashley Landis / AP

Simone Biles diz que deveria ter desistido de competir antes da Olimpíada de Tóquio: 'Me forcei'

Ginasta norte-americana não participou de algumas finais olímpicas e priorizou os cuidados com a saúde mental

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2021 | 21h55

Simone Biles tem sido cada vez mais expoente dos cuidados dos atletas com a saúde mental. A ginasta também tem refletido sobre as consequências de sua decisão de deixar algumas finais olímpicas em Tóquio e entende que o melhor seria ter ficado fora dos Jogos Olímpicos.

Em entrevista à revista The Cut, Biles relembra o sofrimento por revelar, em 2018, ter sofrido abusos sexuais de Larry Nassar, médico da seleção norte-americana de ginástica artística. Ele foi condenado por molestar mais de 300 jovens.

"Eu deveria ter desistido muito antes de Tóquio, quando Larry Nassar estava na mídia. Eu não quis que ele tirasse tudo de mim, tudo pelo que batalhei desde os meus seis anos. Então me forcei a estar nessa situação, mas meu corpo e minha mente não me deixaram ir até o fim", contou Biles.

Há cerca de duas semanas, a ginasta compareceu ao Senado dos EUA para falar sobre os casos de assédio. Biles culpou a Federação norte-americana da modalidade e o 'sistema', que teria sido conivente com a situação. Ela também denunciou o FBI por ter respondido de maneira inadequada e lenta às primeiras acusações contra Larry Nassar, que atuou na seleção nacional por 20 anos.

“Uma manhã, você acorda e não consegue ter perspectiva, mas as pessoas dizem para você continuar e fazer seu trabalho diário como se você ainda a tivesse. Você estaria perdido, não é? Essa é a única coisa que posso relacionar. Faço ginástica há 18 anos. Eu acordei e perdi o controle. Como é que vou continuar com o meu dia?", questiona Simone Biles sobre a maneira como a saúde mental interfere no desempenho do atleta e na busca por uma vida saudável.

A ginasta também comentou o que passou em sua cabeça quando se deu conta de que não teria condições de seguir na competição após sua participação no salto na final por equipes. "É tão perigoso. É basicamente vida ou morte. É um milagre eu cair de pé. Assim que concluí o salto, fui e disse ao meu treinador: ‘Não posso continuar’", contou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.