Tiago Queiroz/ Estadão
Tiago Queiroz/ Estadão

Skatista supera falência familiar e vira promessa da modalidade

Luizinho Francisco Nunes vê vida dar uma guinada radical, supera dificuldades e tem chance de defender o Brasil na Olimpíada

Catharina Obeid, O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2018 | 07h03

Aos 18 anos, Luiz Francisco Nunes é uma das grandes promessas do skate. Luizinho, como é conhecido desde cedo, vive um momento único em sua carreira. É um dos dezesseis atletas da seleção brasileira. Mesmo com pouca idade, a promessa já consegue ajudar seus pais depois de momentos difíceis. 

Os problemas começaram antes de Luizinho ter seu primeiro contato com o skate, aos seis anos. Um familiar fez um empréstimo no nome de sua mãe, Enilda, sem que ela soubesse. "Quando ela descobriu, o valor já estava muito alto, não conseguimos mais pagar. Isso levou nossa família à falência, a gente perdeu tudo", afirma.

Sua vida virou de ponta-cabeça. De 2006 a 2010, Luizinho, seus pais e seu irmão mais novo, André, tiveram que mudar de casa e de vida. "A casa para onde fomos tinha risco de desabamento", relembra.

O primeiro skate foi um presente da avó. Dividia seu tempo entre o futebol, videogame, escola e skate. Como meia, Luizinho chegou a ser procurado por olheiros do Corinthians e Palmeiras. "Minha mãe abomina futebol. Então resolvi focar nas pistas", explica. Aos 10 anos, o skatista estava sempre presente nos pódios, mesmo competindo com atletas mais velhos. "A gente levava uma vida muito difícil, minha mãe vendia bolo, pães e brigadeiros nos campeonatos para pagar as viagens".

O esforço logo deu resultado. Foi campeão carioca, paranaense, mineiro e paulista. Ele também conquistou o vice brasileiro, em 2012, e, no ano passado, foi campeão brasileiro tanto no bowl quanto no park. Modalidade que vai estar na próxima edição da Olimpíada e une elementos do bowl, tipo de pista tradicional, quanto do street, skate de rua e usa elementos que simulam escadarias, rampas e corrimões. Este ano tem sido especial: além da seleção brasileira, o garoto conquistou o terceiro lugar no X-Games e superou grandes nomes no torneio internacional Skate Park. 

O atleta encara seu próximo compromisso neste final de semana, quando participa da segunda etapa do Circuito Brasileiro de skate, o Oi STU Qualifying Series, campeonato que garante pontos no ranking brasileiro que classifica para os Jogos de Tóquio. "É um sonho conquistar uma medalha pelo Brasil na Olimpíada, mas a verdade é que quero ganhar vários campeonatos".

A vontade é tanta de se superar que Luizinho até colocou os estudos em segundo plano. No ano passado, o jovem skatista repetiu o terceiro ano do Ensino Médio por faltas. "Vou terminar a escola depois", conta. Na sala de aula, Luizinho relata ter passado por situações de preconceito dos seus próprios professores. "Muitos diziam que skate é coisa de marginal, que não ia me dar futuro. Era bom ouvir isso porque me motivava cada vez mais", afirma.

 

 

 

Mais conteúdo sobre:
Olimpíada 2020 Tóquioskate

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.