Só mais uma vitória basta a Jorginho

Palmeiras apenas espera o jogo de amanhã, contra o Santo André, para efetivar treinador

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

17 de julho de 2009 | 00h00

Oficialmente, na palavra da diretoria do Palmeiras, Jorginho ainda é interino. No discurso dos jogadores, ele já foi efetivado faz tempo. O bom trabalho na frente do time já o credencia a ter uma promoção. Até o fim de semana, ela deve chegar. Uma vitória contra o Santo André, amanhã, no Palestra Itália, vai garantir Jorginho no cargo até dezembro.O triunfo sobre o Flamengo por 2 a 1, na quarta-feira, no Rio, deu pontos ao interino. "Foi um resultado excepcional", comemorou Savério Orlandi, diretor de futebol. "Ele se credenciou naturalmente, pelos bons resultados. Temos quase a convicção de que é a hora de fazer uma aposta. E, se fizermos, será no Jorginho", confirmou.Hoje faz três semanas que Vanderlei Luxemburgo foi demitido. A ideia da cúpula alviverde era que Jorginho, técnico do Palmeiras B, ficasse apenas uma partida no time principal, até a resposta de Muricy Ramalho. O ex-são-paulino pediu um salário muito alto e, assim, o interino passou a ganhar força no Palestra, principalmente por causa de seu trabalho: são três vitórias e um empate. "Estou aqui para ajudar e, felizmente, os resultados estão aparecendo", disse o treinador após o triunfo sobre o Flamengo.Pode-se dizer que o próprio Jorginho é hoje seu maior "inimigo". No começo, ele mesmo sempre falou que não estava preparado para ser efetivado - na sua opinião, faltava-lhe experiência. O discurso foi mudando, mas, mesmo assim, ainda lhe falta ousadia nas declarações. "Não me preocupa a efetivação, fico preocupado em perder e ver o Palmeiras numa situação difícil."Um dos fatores que pesam na permanência de Jorginho é o apoio do grupo. Desde o empate por 1 a 1 com o Santos, o seu primeiro jogo, os elogios são constantes. "Temos assimilado o que ele pede", disse Pierre. "Ficamos felizes (se o interino for efetivado), temos uma identificação com ele, é uma ótima pessoa. Torcemos por ele." O meia Diego Souza também apoiou Jorginho. "Não tem por que a diretoria procurar um outro treinador." Ontem, na chegada da delegação a São Paulo, Jorginho desembarcou com o status de estrela. Cercado de seguranças, não deu entrevistas nem autógrafos aos fãs que tentavam chegar perto.De acordo com Savério Orlandi, a diretoria já conversou com Jorginho sobre quem poderia auxiliá-lo. Quer ouvir sugestões. "É um objetivo nosso ter um auxiliar para ele, pode até ser o Evair", disse. Mais um sinal de que a promoção está prestes a ocorrer. Durante a semana, a diretoria estudou os nomes de Vágner Mancini e Parreira, demitidos de Santos e Fluminense. Mas deve ficar mesmo na "aposta" Jorginho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.