Erik S. Lesser/ EFE
Erik S. Lesser/ EFE

'Só o beisebol poderia me proporcionar isso', diz Paulo Orlando após visita a Obama

Primeiro brasileiro campeão da MLB foi recebido na Casa Branca pelo presidente americano

Rafael Pezzo, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2016 | 17h59

Nesta quinta-feira, Paulo Orlando, primeiro brasileiro campeão da Major League Baseball, foi recebido, ao lado do elenco e comissão técnica do Kansas City Royals, pelo presidente norte-americano Barack Obama na Casa Branca, em Washington. A visita dos atuais campeões das quatro principais ligas esportivas (MLB, NFL, NBA e NHL) ao mandatário em exercício é uma tradição nos Estados Unidos. 

Em conversa exclusiva com o Estado nesta sexta-feira, "Paulão" afirmou ter ficado impressionado com a oportunidade. "São coisas que somente o beisebol poderia me proporcionar. Nunca imaginei que poderia estar ali e ser recebido pelo Obama."

O paulista não trocou palavras diretamente com o chefe de Estado e apenas o cumprimentou. Essa atitude, no entanto, bastou para que deixar Orlando admirado. "Apertou a mão e parabenizou a todos pelo título, independente de ser negro, branco ou estrangeiro. Se mostrou bem humilde, olhando todos no olho." 

Para Paulo Orlando, o momento mais marcante desta quinta-feira foi quando os espectadores no East Room entoaram o principal lema do time na campanha do título: "Let's go, Royals!" "Parecia que estávamos jogando, no estádio." Estavam presentes no evento alguns torcedores e também familiares dos jogadores. A esposa e a filha do brasileiro, porém, não puderam comparecer. "Elas ficaram em Kansas. Mas vamos torcer para, no próximo título, essa oportunidade se repetir." 

 

Visitando White House! @KCRoyals #ForeverRoyal #WSChamps2015 #POTUS

Uma foto publicada por Paulo (@paulo_orlando16) em

Reserva muito utilizado em 2015, "Paulão" hoje é titular absoluto no campo externo direito da franquia, com boas atuações na defesa e no ataque. A boa fase foi recompensada pelo prêmio de melhor jogador dos Royals no mês de maio. Para manter o rendimento, procura tirar um pouco da pressão sobre ele próprio. 

"Nós, jogadores, quando passamos uma partida sem uma rebatida, às vezes pensamos que estaremos fora do próximo jogo. Tenho pensado muito nisso, 'Tenho que jogar bem!', colocando pressão sobre mim mesmo. Tenho que levar como algo normal, um dia você vai bem, no outro não", explicou. "Espero estar mais focado nessa parte psicológica, para terminar o ano bem, como estive no meio da temporada. Espero voltar nessa fase", completou. 

Os 30 times da Major League Baseball são divididos em duas Ligas, a Americana e a Nacional, que, por sua vez, são dividas em três divisões cada. Atualmente, os Royals estão na terceira colocação da Divisão Central da Liga Americana, com 47 vitórias e 47 derrotas. Além dos campeões de cada uma das seis divisões, outros dois times de cada Liga se classificam. Nesta disputa, o Kansas City está na sétima colocação. O líder da disivão dos Royals é o Cleveland Indians, do outro brasileiro, Yan Gomes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.