Só um desastre impede o Real Madrid de ir à semifinal da Copa dos Campeões

Time espanhol pode perder por até dois gols de diferença do Galatasaray nesta terça-feira

O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2013 | 02h09

ISTAMBUL - Os dois primeiros semifinalistas da Copa dos Campeões serão definidos nesta terça-feira, e salvo grandes surpresas serão Real Madrid e Borussia Dortmund - dois times que estavam no mesmo grupo na primeira fase. A equipe espanhola jogará fora de casa contra o Galatasaray com a vantagem mais do que confortável de ter ganho por 3 a 0 em seu estádio, e o Borussia receberá o Málaga em seu caldeirão - o jogo de ida terminou 0 a 0.

Embora o Real esteja com a vaga no bolso, o técnico José Mourinho não abaixa a guarda. "Não nos consideramos classificados. Mostrei aos jogadores vídeos de um time que ganhou o jogo de ida por 3 a 0 e perdeu o de volta pelo mesmo placar. E a prova de que não entraremos em campo relaxados é que sábado deixei sete titulares fora do jogo com o Levante pelo Campeonato Espanhol porque precisaremos muito deles contra o Galatasaray."

Esta é a terceira temporada de Mourinho no Real Madrid, e nas duas primeiras o time chegou às semifinais da Copa dos Campeões - numa foi eliminado pelo Barcelona e na outra pelo Bayern de Munique. Para este jogo ele não poderá contar com Sergio Ramos e Xabi Alonso (suspensos) e provavelmente também não poderá escalar Pepe, que entraria na zaga ao lado de Varane. O jogador deixou o treino de segunda com dores na coxa direita e, se não puder jogar, o escalado será Albiol.

A equipe turca também terá desfalques. E o principal será o atacante Yilmaz, autor de oito dos 11 gols marcados pelo Galatasaray na competição. "Não teremos nosso goleador, mas vamos atacar muito assim mesmo. Faremos todo o possível para conseguir o milagre", disse o técnico Fatih Terim - seu time precisa ganhar por quatro gols de diferença para se classificar, ou por 3 a 0 para provocar a prorrogação.

SEM AFOBAÇÃO

Na Alemanha, o Borussia confia em sua força como mandante para evitar a zebra de ser eliminado por um time que disputa a Copa dos Campeões pela primeira vez. Seu estádio recebe 80 mil pessoas em todos os jogos, e a pequena distância que existe entre o público e o gramado torna o ambiente muito difícil para os visitantes.

A equipe tem um grande poder ofensivo, mas promete ter paciência para não se expor muito na busca pelo gol. "O pior que pode acontecer é ficarmos atrás no placar levando um gol de contra-ataque", disse o meio-campista Sven Bender.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.