Sob o travessão, duelo entre melhores do mundo

Os goleiros Julio César e Buffon levam a campo o respeito mútuo e uma rivalidade acirrada

Luiz Antônio Prosperi e Silvio Barsetti, PRETÓRIA, O Estadao de S.Paulo

20 de junho de 2009 | 00h00

Julio Cesar não esconde a admiração que tem por Buffon. O goleiro italiano também respeita o brasileiro. Disse até que é um dos melhores do mundo. Os dois têm um encontro marcado hoje, no Loftus Versfeld, em Pretória, na partida entre Brasil e Itália. Um bom duelo para ver quem vai fechar o gol. Acesse o canal especial e confira ao vivo o jogo entre Brasil e ItáliaBuffon está em desvantagem. O seu time tem de vencer hoje sob pena de ir embora para casa mais cedo. "Espero mostrar que a Itália não vale menos do que o Brasil. Queremos ganhar esse torneio. Mas, se vencermos o jogo, mesmo que eliminados (depende do resultado do jogo Egito x Estados Unidos) depois, ficarei contente: bater um time forte como o Brasil também é uma coisa muito importante", disse o italiano.Tamanho otimismo vem do estilo de jogo da Itália. Buffon lembra que sua seleção não é um time que passa fácil pelos adversários, que dá show, o "futebol champanhe", como disse na sexta-feira. "Somos uma equipe que não se entrega, que não desiste. Não somos do espetáculo." Ele sabe também que, do outro lado, há um rival difícil e um goleiro em grande fase. "Em um momento da última temporada eu disse que Julio Cesar era melhor do que eu. E ele foi por cinco meses. Mas, em geral, para se avaliar um goleiro é preciso levar em consideração o que ele faz em dez anos."Julio Cesar também rejeita a fama de melhor do mundo. Antes de tudo, se diz um admirador confesso de Buffon, com quem aprendeu muito quando foi contratado pela Internazionale de Milão. "Quando cheguei à Itália se falava muito do Buffon. Vi muitos dos seus jogos, sempre observando como fazia as defesas, como se comportava em campo. Aprendi muito com ele", comentou o goleiro da seleção brasileira, que está no futebol italiano há cinco temporadas - uma no Chievo e as outras quatro na Inter de Milão.No confronto de hoje, Julio Cesar tem certeza de que mais do que a vitória, os italianos querem dar o troco da derrota que sofreram no último amistoso entre as duas seleções - 3 a 0 para o Brasil, em fevereiro, em Londres. "É um jogo oficial, pela Copa das Confederações, mas acredito mesmo que o sentimento deles é de vingança, de revanche. Eles não aceitaram fácil aquela derrota em Londres." Não fosse só por esse detalhe, Julio Cesar e Buffon terão um duelo à parte na corrida pelo posto de melhor goleiro do mundo. O outro candidato, Casillas, da Espanha, aguarda a sua vez. O espanhol deve medir forças com um dos dois, seja na semifinal ou final da Copa das Confederações."Não estou preocupado se sou ou não o melhor do mundo. Não corro atrás disso. Só de estar no nível de grandes goleiros já é motivo de muito orgulho. Aumenta também a minha responsabilidade", comentou Julio Cesar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.