Sócio-torcedor fez Inter virar clube modelo

O Internacional foi um dos primeiros clubes a se adaptar ao antigo Estatuto do Torcedor. As novas medidas da lei vão apenas sacramentar ações que já vinham sendo tomadas no Estádio do Beira-Rio desde 2006, quando o clube foi campeão da Taça Libertadores e do Mundial de Clubes da Fifa e viu seu programa de sócios-torcedores alçar voo.

, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

O ano também marcou o último grande episódio de vandalismo no estádio: a queima, por torcedores do Grêmio, de banheiros químicos, jogados no campo.

O programa de sócios foi o grande motivo para aumentar a segurança no estádio. Em jogos grandes, o clube nem sequer chega a imprimir ingressos ? os que estavam sendo vendidos pelos cambistas eram destinados à torcida do São Paulo.

Os 45 mil colorados presentes no jogo de ontem contra o São Paulo no Beira-Rio tinham carteirinha (ao todo são mais de 100 mil sócios) e simplesmente passavam seus documentos nas catracas.

O clube também adotou medida que só agora vira obrigação para os principais clubes: o cadastramento dos integrantes das torcidas organizadas. "Esta medida diminuiu de 3 mil para mil o número de torcedores colorados em organizadas", comemora o presidente Vitório Píffero. / G.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.