Sonhos de verão

Pode ser efeito do verão que afinal chegou, ou do beija-flor que veio beber água na minha varanda esta manhã. O fato é que começo 2009 otimista, pelo menos em relação ao futebol brasileiro. Para ficar nos paulistas de maior torcida: os quatro me parecem aptos a cumprir um ano futebolisticamente interessante, tanto no Campeonato Paulista, que começa amanhã, como nos outros torneios que irão disputar. Do São Paulo, quase não é preciso dizer nada. É - de longe - o clube mais profissional e parece melhor em 2009 do que no ano passado, quando se sagrou hexacampeão brasileiro. O time, que já era bom, deve ficar mais afiado com a chegada de jogadores como Washington, Wagner Diniz e Arouca. Incrível como eles não relaxam. Chega a dar raiva. Ao invés de comemorar o título ganho, dar um tempo etc., negociam para repor antecipadamente jogadores que podem perder. Fazem a festa trabalhando. Bem, é o que se chama planejamento. O Corinthians chega forte depois da ótima campanha na Série B. Amistoso não quer dizer muita coisa mas, mesmo com esse desconto, o jogo contra o Estudiantes foi animador. Ainda em início de temporada, o time já parece entrosado e motivado. Deu gosto especial ver Douglas, que pode vir a ser o meia mais interessante em atividade no País. O Corinthians começou o ano ocupando todas as manchetes com a contratação bombástica de Ronaldo. O Fenômeno é o rei do marketing e, mesmo sem entrar em campo, já justificou seu contrato com retorno de mídia e propaganda grátis. Se vai também jogar bola é a grande pergunta deste começo de ano. O que acho? Quanto a esse ponto, sou como são Tomé - quero ver para crer. O Palmeiras, que andava meio devagar, perdendo muitos jogadores, conseguiu trazer Keirrison por antecipação, tenta ainda viabilizar a permanência de Kléber e sonda os atacantes Fred e Luiz Adriano. Luxemburgo afirma que o time está em formação. Mas isso ele diz todos os anos e de qualquer time que esteja dirigindo no momento. Nunca estão prontos. Mas de qualquer forma, o Palmeiras parece ter condições de fazer boa figura este ano, avançando em relação a 2008, quando foi campeão paulista mas terminou eliminado na Copa do Brasil e deixou a desejar no Brasileirão. Já o Santos, que no ano passado foi fraquinho como cambaxirra, parece ter aprendido a lição. Contratou bem e pode reencontrar-se com sua tradição de vencedor. Com as chegadas de Luizinho, Roni, Lúcio Flávio, Madson e Bolaños, o time passa a ser competitivo. Kléber, o lateral, parece que quer sair. Mas Léo está de volta para a posição. Com a promoção do garoto Neymar, novo xodó da torcida, e a permanência de titulares como Fábio Costa, Fabiano Eller, Rodrigo Souto, Kléber Pereira e outros, Márcio Fernandes poderá montar um time forte. Aliás, 2009 será a prova dos noves para o treinador. Ano passado ele foi o técnico da crise, com a única tarefa de livrar o clube do rebaixamento. Este ano, com objetivos menos medíocres, se poderá ver até onde ele é capaz de ir. E isso já ficará claro no Campeonato Paulista. Gostaria de acreditar que essas boas perspectivas se devem à administração mais competente dos clubes, ou a uma política melhor da CBF para o futebol brasileiro. Mas nem a luz do sol e o canto dos pássaros têm o poder de me distanciar tanto da realidade. Sei que essa expectativa otimista se deve menos à nossa competência do que à crise mundial, que tem dificultado a negociação dos jogadores com o exterior. Vamos aproveitá-la, então, naquilo em que ela nos é favorável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.