Sono vira desafio extra na final matutina

Tradicionais rivais, Unilever e Sollys/Osasco fazem a decisão em jogo único, às 9h45 de amanhã, no Ibirapuera lotado

Amanda Romanelli, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2010 | 00h00

Regulamento, diz o ditado, é para ser cumprido. E as jogadoras de Unilever e Sollys/Osasco, que decidem amanhã o título da Superliga Feminina de Vôlei, em São Paulo, têm trabalho extra antes da grande final: precisam se adaptar ao horário do jogo, 9h45, no Ibirapuera lotado - os 11 mil lugares foram vendidos.

A disputa reúne condições diferentes do restante do torneio. Além do horário antecipado, na medida para a TV aberta, o troféu é decidido, desde 2009, em partida única, ao contrário dos s mata-matas nas fases anteriores.

O Osasco teve maior tempo para operar as mudanças, pois garantiu vaga na final ao fazer 2 a 0 sobre o Pinheiros/Mackenzie. Desde o início da semana passada, a rotina foi invertida. "O time sempre treina em dois períodos, mas o trabalho mais forte fica para a tarde", explica o preparador físico Robson Guerreiro. "Para a final, invertemos. Temos de criar uma nova realidade."

Realidade que, para a Unilever, foi mais dura. Foram três batalhas para eliminar o São Caetano/Blausiegel por 2 a 1, com direito a datas modificadas por causa da chuva que alagou o Maracanãzinho. O preparador físico Marco Antônio Jardim também inverteu a ordem dos treinos e, na reta final, aposta as fichas no controle da alimentação. "O dia do jogo começa com o jantar do sábado, a principal refeição. Elas devem se "reabastecer" com bastante carboidrato e proteínas."

O difícil, porém, é conter a ansiedade. Uma noite mal-dormida antes de um dia que começará por volta das 7 horas pode derrubar qualquer atleta. O técnico Bernardinho, que busca o 8º título, admite que já não dorme direito. Luizomar de Moura, treinador das paulistas, comemora: sua levantadora, Carol Albuquerque, está mais do que acostumada com as manhãs movimentadas. "Acordo todos os dias às 6h30 para dar café da manhã ao meu filho, Matheus."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.