Thiago Diz/WSL
Thiago Diz/WSL

Sophia Medina ganha etapa internacional de surfe e repete feito do irmão Gabriel

Surfista de 16 anos é campeã do QS em Saquarema e assume a liderança do ranking regional da América Latina

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2021 | 17h37

Com apenas 16 anos, Sophia Medina conquistou neste domingo, 21, o título mais importante de sua carreira no surfe até agora. A irmã caçula do tricampeão mundial Gabriel Medina ganhou o Saquarema Surf Festival Roxy Pro, uma etapa QS 3.000 que conta pontos para o ranking regional da WSL na América Latina. Com a vitória, ela se tornou a líder do ranking. No masculino, a vitória foi de Yago Dora.

"Eu nem estou acreditando que acabei de ganhar um QS 3000. Esse sempre foi meu maior sonho, era uma das minhas maiores metas e estou muito feliz. Esse campeonato é um dos mais importantes do mundo hoje. Na América Latina, é o mais importante. É uma grande etapa para uma carreira de surfista. Tem muito tempo que não venço um campeonato e todo trabalho duro foi recompensado", disse a atleta.

Sophia esteve acompanhada em Saquarema pelo pai e treinador, Charles Saldanha, que também treinou Gabriel durante muitos anos na carreira. Agora, ele tem se dedicado à garota e espera que ela trilhe o mesmo caminho do irmão campeão. Ela também tem Gilmar Moura, o Pulga, como técnico, que a ajudou no início de carreira no Instituto Gabriel Medina.

A conquista da irmã foi comemorada nas redes sociais, inclusive por Gabriel Medina, que está um pouco mais distante de sua família, mas fez questão de elogiar Sophia. "Campeaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!! Vitória de gente grande, orgulho!!! Primeira vitoria no WQS, não tem como não lembrar de quando eu comecei! Te amo @sophiamedina", escreveu o surfista.

Ele se refere também ao seu início de carreira. Quando tinha 15 anos, Gabriel se tornou o surfista mais jovem a vencer uma etapa da World Surf League, em Florianópolis, e a partir dali sua ascensão foi meteórica. Três anos depois ele se tornou o primeiro campeão mundial do Brasil no surfe.

Agora, Sophia vai fazendo o mesmo caminho. Com 3.500 pontos no ranking regional da WSL após duas etapas, ela precisa ficar entre as três mais bem colocadas para garantir vaga no WSL Challenger Series de 2022, que vale vagas para o Circuito Mundial de 2023, onde estão as atletas de elite.

"É muito difícil passar do amador paro o profissional, é um choque de realidade e eu treinei muito para estar aqui hoje. Eu me emociono porque foi muito trabalho duro para chegar até aqui e Deus é muito bom. Foi Ele que me deu a vitória e toda honra e glória a Ele. Estou muito feliz por todo esse trabalho estar sendo recompensado", continuou.

Sophia é mais uma surfista talentosa da nova geração que vem chamando atenção nas competições. Além dela, outras jovens atletas vêm mostrando potencial para, quem sabe, no futuro, dar ao Brasil seu primeiro título mundial no feminino, como Bela Nalu (14 anos), Laura Raupp (15 anos) e Summer Macedo (21 anos).

Na disputa deste domingo, Sophia venceu na decisão a peruana Daniella Rosas, que esteve representando seu país nos Jogos Olímpicos de Tóquio, por 14,27 a 12,34. Já no masculino, Yago Dora deu um show e ganhou de João Chianca, mais um novo da nova geração brasileira, por 18,97 a 16,86.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.