Al Behrman/AP - 18/6/2003
Al Behrman/AP - 18/6/2003

Sosa, ícone do beisebol, é outro pego dopado por esteroides

Ex-Chicago Cubs, dominicano foi pego em exame antidoping durante a temporada de 2003 da liga americana

Alan Rafael Villaverde, enviado especial do estadao.com.br,

17 de junho de 2009 | 09h29

Sammy Sosa, um dos principais jogadores de beisebol dos últimos 20 anos, foi pego num exame antidoping durante a temporada de 2003, de acordo com notícia divulgada pelo jornal The New York Times.

Sosa é mais um da lista dos 104 jogadores que foram pegos em exames de doping realizados em 2003 (não existia punição para uso de esteróides até então), que também conta com o astro Alex Rodriguez, do New York Yankees, que pediu desculpas por ter se dopado, antes do começo da atual temporada.

Segundo o jornal, Sammy Sosa foi treinado por Angel Persinal - banido da MLB e de qualquer evento que envolva beisebol por causa de seu envolvimento com esteróides - entre os anos de 2001 e 2003, na República Dominicana, seu pais de origem. Curiosamente, Persinal também foi o treinador, no mesmo período, de Alex Rodriguez, também do país caribenho.

A divulgação do doping deve trazer problemas na justiça americana ao jogador que não é contratado por nenhum time da MLB desde a temporada 2007, quando jogou pelo Texas Rangers, já que, em 2005, durante uma CPI no congresso, negou veementemente qualquer uso de esteróides.

Além de Sosa e Rodriguez, outros astros foram pegos. O último caso foi o de Manny Ramirez, do Los Angeles Dodgers, que cumpre uma suspensão de 50 jogos por uso de remédio para fertilidade feminina, que é usado para mascarar traços de esteróides na corrente sanguínea.

A LISTA

Apesar de ser mantida sob sigilo pelo governo americano, a lista dos 104 jogadores pegos em exames antidoping começa a aparecer. Alex Rodriguez e Sammy Sosa estão nela e outros atletas famosos são esperados.

O treinador do Chicago White Sox, Ozzie Guillen, que também foi um dos astros da MLB, disse que a lista precisa ser divulgada o quanto antes para parar com as especulações e limpar, de uma vez por todas, a liga.

Já a MLB e o sindicato de jogadores mantêm uma posição indiferente, dizendo apenas que estão tratando do assunto (uso indiscriminado de esteróides) da melhor forma possível.

ESCÂNDALO

O escândalo do uso de esteróides começou com o ex-jogador Jose Canseco, que já escreveu dois livros sobre o assunto, inclusive dando o nome de outros astros que tomaram o caminho dos hormônios para melhorar suas respectivas performances no campo de beisebol.

Aos poucos, atletas como Roger Clemens, Rafael Palmeiro, Miguel Tejada, Mark McGwire e Barry Bonds - detentor do recorde de home runs - foram desmascarados e a imagem da MLB foi manchada.

NEGÓCIO DE BILHÕES

Depois da greve de jogadores na temporada de 1994, a MLB passou por maus momentos e parecia fadada ao encerramento de suas atividades, mas Mark McGwire e Sammy Sosa, dopados, salvaram a liga.

Em 98, os dois brigaram para ver quem terminaria a temporada com mais home runs, mobilizando os torcedores e a mídia. A disputada foi vencida por McGwire, que conseguiu 62 home runs, que é, até hoje, recorde absoluto para uma única temporada. Sosa terminou com 58.

O sucesso da disputa foi tão grande que a MLB passou a ser um negócio orçado em mais de US$ 7 bilhões (R$ 13,6 trilhões), deixando para trás a NBA e ficando praticamente empatado com a NFL (liga de futebol americano).

Mesmo tendo salvado a liga, os dois atletas não deverão entrar no Hall da Fama do beisebol. Mark McGwire já teve sua indicação recusada, e o caminho para Sosa deverá ser o mesmo.

Tudo o que sabemos sobre:
beisebolMLBChicago Cubsdoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.