'Sou eternamente louco'

Mano Menezes mostra gratidão pela torcida corintiana, dá volta olímpica no Pacaembu e é elogiado pelos atletas

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2010 | 00h00

Uma vitória para um treinador. Não teve jeito, todos os jogadores dedicaram o triunfo sobre o Guarani para Mano Menezes. O técnico, aliás, usou sua despedida do Corinthians como assunto na preleção do jogo. E antes de a partida terminar, já com o 3 a 1 no placar, avisou aos seguranças que iria dar uma volta olímpica no Pacaembu.

Fim de jogo, abraços dos jogadores e aí sim o contorno no gramado. Um aceno para os torcedores, sob o grito de "Mano". No fim do trajeto, o grupo de atletas os esperava para mais um cumprimento. Na verdade, o carregaram e o jogaram pra cima. Festa bonita de se ver.

"Foi muito marcante aqui e deixo a porta aberta", disse. "Se andar pra frente significar voltar um dia ao Corinthians, eu voltarei." O treinador se emocionou com o carinho da torcida. "A recíproca é verdadeira, eles me conquistaram também. Sou eternamente louco", falou, usando um dos gritos da Fiel. "Nesse momento, lembrar de coisa triste é injusto", disse, questionado sobre o que faltou conquistar no time. "Trabalhamos pra fazer tudo bem feito. O somatório de tudo cria um orgulho no torcedor. Se fizermos um balanço, o trabalho do treinador tem uma parcela importante no que foi feito. Encerramos a rodada em primeiro (no Brasileiro)."

Os jogadores só tinham a agradecer a Mano Menezes. E, agora, sonham com oportunidades na seleção brasileira.

O treinador faz hoje a sua primeira convocação como técnico do Brasil. "Vou estar ansioso", avisou Roberto Carlos, imaginando novas chances. "Que orgulho ter o técnico da seleção nos dando ordem, né!", falou no intervalo da partida de ontem. "O Mano merece, fez um bom trabalho pelos clubes em que passou."

O lateral-esquerdo de 37 anos acredita ainda poder atuar na seleção, e não pensa em fazer apenas uma partida de despedida. Ainda tem fôlego para muito, segundo ele. "Se me derem oportunidade, vou voltar para jogar até quando der. Eu me sinto bem", garantiu. "Estou feliz pelo que tenho feito aqui no Corinthians e isso só me dá motivação."

Autor do primeiro gol, Jorge Henrique lembrou dos momentos que passou ao lado de Mano Menezes. Foi graças ao treinador que o atleta chegou ao clube - e veio sob a desconfiança da torcida. "Ele sempre me ajudou e o que faço aqui eu devo a ele", disse o atacante.

Bruno César, responsável pela vitória (anotou os outros dois gols), também irradiava alegria ao falar do treinador. "Ele nos pediu apenas a vitória e estou feliz que pude ajudar", contou o meia, destaque do time na sétima vitória do time na competição nacional

Apoio. Os jogadores vão receber Adilson Batista de braços abertos. O novo treinador chega amanhã e terá poucos dias de trabalho antes da estreia, domingo, no clássico contra o Palmeiras. "Deixei o time na liderança (24 pontos, um a mais que o Fluminense) e agora a responsabilidade é grande", disse Mano. "Ele vai chegar e ver como é nosso esquema. Desejamos sorte pra ele", disse Roberto Carlos, que será desfalque no jogo do Pacaembu ? levou o terceiro cartão amarelo ontem. Dentinho também não joga o clássico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.