''''Sou um vitorioso derrotado'''', diz Dualib ao cair

Em carta de renúncia, ex-presidente ataca a imprensa e divide com Conselho o fracasso da parceria com a MSI

Martín Fernandez, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2022 | 00h00

Alberto Dualib, o homem que comandou os 14 anos mais vitoriosos e polêmicos do Corinthians, se considera um injustiçado. Em sua carta de renúncia, cita os títulos conquistados pelo clube entre 1993 e 2007, garante que o patrimônio cresceu no período e divide a culpa pelo fracasso da parceria com a MSI com o Conselho Deliberativo e o Conselho de Orientação (Cori). Por fim, ataca a imprensa. "Sou um vitorioso derrotado."   Leia a íntegra das cartas de renúncia de Alberto Dualib e Nesi CuriA carta foi escrita na quinta-feira à tarde, na presença de Nesi Curi e advogados. E entregue ao presidente do Conselho Deliberativo, Carlos Senger, ontem pela manhã. "Ele estava bem chateado", contou Senger. Já na condição de ex-presidente, viajou para um de seus sítios no interior de São Paulo."... Ao ler as manchetes dos jornais, revistas, sites, chamadas de reportagem de telejornais, vejo com indescritível pesar e indelével sentimento de injustiça que nada disso tem mais qualquer importância", diz a carta. "Se não pesa sobre mim qualquer condenação cível ou penal, por que tenho sido tão achincalhado? Percebo que, no Brasil, inocente é culpado até que prove o contrário. Nada mais absurdo.??"Por outro lado", continua, "devo dizer que os Contratos de Parceria com o Banco Excel, com a Hicks Muse e com a MSI foram todos, sem exceção, aprovados pela esmagadora maioria do Conselho e do Cori." De fato, a votação que gerou a recente parceria foi rejeitada por apenas 16 conselheiros.Dualib cita o deputado Ibsen Pinheiro e o caso "Escola Base" para atacar a imprensa. Reclama de "invasões à privacidade e inverdades". Diz ainda que deixa o cargo para permitir - "ao contrário do que o ocorreu no Senado Federal" - uma investigação ampla e transparente. E admite também que atendeu aos pedidos da família para abandonar o Corinthians. Nesi Curi também entregou sua carta de renúncia, "em total solidariedade ao sr. Alberto Dualib".Para o conselheiro Rubens Approbato Machado, também presidente do STJD, Alberto Dualib "deixa uma herança maldita no sentido moral".Approbato também fez uma promessa ontem: "Se a diretoria que assumir em outubro esquecer tudo isso, será por pouco tempo. Porque eu vou continuar falando, eu vou continuar denunciando. Os dirigentes têm de ser responsabilizados pelo que acontece no futebol."O presidente do Conselho Deliberativo, Carlos Senger, afirmou que todas as ações de Alberto Dualib nos últimos anos serão alvos de investigação interna. "Tudo vai ser revisto, reavaliado", garantiu.Senger declarou ainda que vai comunicar hoje os jogadores do time, que amanhã enfrentam o Palmeiras, no Morumbi. "Alguns nem sempre têm a cabeça perfeita, é uma preocupação nossa. Então vamos tranqüilizá-los."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.