Status de número 1 desestabiliza Daiane

Ser a número um do mundo está "pesando" para a ginasta brasileira Daiane dos Santos, que não escondeu o estresse nesta terça-feira pela manhã, durante o treino para a terceira etapa da Copa do Mundo, que será disputada no centro de convenções Riocentro, em Jacarepaguá, de sexta-feira a domingo. O choro da atleta, que aparentemente era por causa de uma contusão, na verdade foi um sintoma do desgaste provocado pelo excessivo assédio dos jornalistas e fãs, somado à responsabilidade de administrar sozinha a sua carreira. "Não vou falar hoje. Márcia (assessora de imprensa da Confederação Brasileira de Ginástica) não quero falar. Estou cansada", disse Daiane, ao encerrar o treino e ser cercada por cerca de dez jornalistas que a aguardavam para entrevistas. Desde que chegou ao Rio, no sábado, Daiane vem sofrendo o assédio não somente de jornalistas que, às vezes, a obrigam responder cinco vezes a mesma pergunta, ora para jornal, TV ou rádio, como também pelos fãs. Até esta terça-feira, a ginasta procurou atender a todos com atenção e simpatia, mas as dores no dedo mínimo da mão esquerda, contribuíram para a irritação. "Nós já estamos fazendo um trabalho psicológico com a Daiane. Tentamos mostrar a ela, e até brincamos, que todo número 1 vive cercado por 200 jornalistas", contou o médico da seleção brasileira, Mário Namba. "Ela tem reagido bem, mas tem dias que soma tudo e não dá para segurar: o assédio, o treino forte, o incômodo na mão." Além dos problemas esportivos, Daiane ainda está deixando de "ganhar dinheiro", por administrar sua carreira sem o auxílio de uma orientação profissional. Patrocinada pela empresa de telefonia Brasil Telecom, ela recebe cerca de R$ 15 mil mensais, mas o contrato que tem validade até 2005 exige exclusividade. Por causa da cláusula de exclusividade, Daiane recentemente recusou um contrato para estrelar uma campanha publicitária de uma das maiores multinacionais de alimentos do mundo, onde receberia R$ 120 mil, suficientes pagar a multa rescisória. E, livre do atual compromisso, poderia fazer por exemplo o anúncio para uma montadora de veículos e vídeos institucionais, ambos também não aceitos, e aumentar seus rendimentos. "A Daiane tem recebido cerca de dez convites por mês entre gravações de comerciais, patrocínios e podia estar ganhando R$ 50 mil", disse um integrante da Confederação de Ginástica, que pediu para não ser identificado. "Mas vamos conversar com os pais dela que estarão no Rio assistindo à Copa do Mundo para tentarmos resolver esta situação." Para se ter a certeza de que Daiane conseguiria um salário maior basta compará-la com Daniele Hypolito. Desde que a atleta do Flamengo conquistou a medalha de prata nos exercícios de solo no Mundial de Ghent, na Bélgica, em 2001, seus rendimentos mensais passaram de R$ 1,5 mil para cerca de R$ 40 mil e, hoje, ela conta com cinco patrocinadores, além de ter por empresária Marlene Mattos, que trabalhou com a apresentadora de TV Xuxa Menegel. Seleção - A Confederação Brasileira de Ginástica informa nesta quarta-feira quais os nomes das três atletas que competirão na Copa do Mundo. Outros três nomes também serão informados, mas não participarão da disputa e irão apenas se exibir. Daiane está confirmada na equipe, mas Daniele ainda não está garantida. Os últimos ingressos para a Copa do Mundo devem ser vendidos nesta quarta. Até o início da noite desta terça-feira, todas as entradas para sábado e domingo estavam esgotadas e para o primeiro dia, sexta-feira, restavam apenas 1.128 bilhetes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.