STJD reduz penas de Grêmio e Atlético-MG por confusão na final da Copa do Brasil

Em julgamento do Pleno, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) reduziu nesta quarta-feira as penas aplicadas ao Grêmio e ao Atlético Mineiro pela confusão ocorrida na final da Copa do Brasil, em dezembro do ano passado.

Estadao Conteudo

15 Fevereiro 2017 | 18h26


O clube mineiro obteve o maior benefício na decisão por maioria de votos dos auditores do Pleno. O zagueiro Erazo a suspensão de quatro jogos reduzida para duas partidas ao ter sua denúncia de agressão ao rival Kannemann desclassificada para ato desleal ou hostil.


Os dois jogadores se desentenderam ao fim da partida e, de acordo com a súmula do jogo, "partiram para a luta corporal". Denunciado inicialmente, Kannemann fora absolvido no primeiro julgamento. Erazo, por sua vez, terá que cumprir o gancho de dois jogos nas primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro.


No caso do time gaúcho, a multa inicial de R$ 60,8 mil caiu para R$ 5,8 mil. O valor era a soma de seguidas infrações cometidas pelo Grêmio no confronto. O clube fora denunciado pelo arremesso de uma bobina em campo, pelo uso de sinalizadores e pela invasão de Carol Portaluppi, filha do técnico Renato Gaúcho.

Mais conteúdo sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.