Sueca compete com dois maiôs e fica sem nova marca mundial

A nadadora sueca Therese Alshammar teria melhorado ontem em Sydney, na Austrália, o recorde mundial dos 50 metros borboleta, que lhe pertence desde junho de 2007, se não tivesse infligido a nova regulamentação da Federação Internacional de Natação (Fina). Para alcançar a nova marca, de 25s44 (dois centésimos abaixo do recorde vigente), ela utilizou duas roupas de competição sobrepostas, procedimento recentemente proibido pela entidade que regulamenta o esporte.Em reunião realizada sábado passado em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, a Fina determinou a proibição do uso de dois maiôs compostos por tecidos especiais, sob o argumento de que isso alteraria a flutuabilidade dos atletas. Portanto, a marca obtida ontem por Therese acabou sendo anulada pelos juízes depois de cinco horas de debates. A nadadora sueca ainda tentou recorrer da decisão, sem sucesso, ao alegar que usou dois conjuntos por conforto.CASO REBECA GUSMÃOOntem, em Lausanne, na Suíça, a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) teve a audiência definitiva sobre o caso de Rebeca Gusmão. A nadadora, banida do esporte por ter sido flagrada no antidoping antes do Pan de 2007, tenta reverter a pena dada pela Fina. Segundo o advogado dela, Breno Tannuri, a decisão sairá num prazo de 30 a 45 dias. "Minha cliente é inocente. Se isso não for reconhecido na justiça dos homens acredito que será na de Deus. Ela tem muito ainda a oferecer ao Brasil como atleta." COM AGÊNCIAS

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.