Fabrice Coffrini/AFP
Fabrice Coffrini/AFP

Suprema Corte húngara rejeita referendo sobre candidatura para sediar os Jogos de 2024

Falta de tempo para analisar a proposta foi o motivo alegado

Estadão Conteúdo

20 Janeiro 2016 | 17h12

A Suprema Corte da Hungria anunciou nesta quarta-feira que rejeitou a proposta de um referendo a respeito da candidatura de Budapeste para organizar os Jogos Olímpicos de 2024. Antes, também o legislativo municipal havia vetado que o tema fosse levado a votação, o que fez com que a oposição ao governo local levasse o tema até a instância máxima da Justiça húngara.

Ao rejeitar a proposta, a Suprema Corte alegou que o referendo não teria validade porque não há tempo hábil para que a votação ocorra antes de 17 de fevereiro, data limite para que as candidaturas apresentem toda a documentação ao Comitê Olímpico Internacional.

A ''Kuria'', como é chamada a corte húngara, lembrou ainda que as autoridades de Budapeste já aprovaram a iniciativa no ano passado e informaram ao COI sobre a intenção de lançar a candidatura. Também o Comitê Olímpico Húngaro e o primeiro-ministro Viktor Orban apoiam a candidatura.

Para o Juntos, partido de oposição, a decisão da Suprema Corte é "política" e "inaceitável", uma vez que proíbe que os cidadãos votem sobre algo que vai afetar suas vidas de forma significativa.

Em dezembro, o legislativo municipal rejeitou o referendo em uma disputa apertada, com 16 votos contra e 14 a favor, apenas três dias depois de Hamburgo ter desistido oficialmente de sua candidatura à Olimpíada de 2024, justamente depois em um referendo promovido com a população da cidade alemã.

À época, o prefeito de Budapeste, Istvan Tarslos, acusou a oposição de "demagogia barata" ao querer promover o referendo e disse que o pedido teve caráter populista dentro do atual contexto político local.

Assim, Budapeste segue como candidata aos Jogos ao lado de outras três cidades concorrentes: Los Angeles, Paris e Roma. A cidade eleita sede da Olimpíada de 2024 será conhecida em 2017, em Lima, no Peru.

No fim de novembro, um referendo que contou com 650 mil votos e foi realizado entre os habitantes de Hamburgo e Kiel, cidade onde seriam realizadas provas de vela da antes possível Olimpíada de 2024 em solo alemão, apontou que 51,6% reprovavam a candidatura aos Jogos Olímpicos. Antes de a sede desta edição do evento ser revelada em 2017, o Rio será palco da Olimpíada de 2016 e Tóquio abrigará os Jogos de 2020.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.