Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Dan Lampariello/Reuters
Dan Lampariello/Reuters

Suprema Corte dos EUA revê sentença de morte a responsável por atentado à Maratona de Boston

Djokhar Tsarnaev foi condenado à morte em junho de 2015 por plantar duas bombas com seu irmão mais velho na prova de 2013

Redação, AFP

22 de março de 2021 | 18h45

A Suprema Corte dos Estados Unidos concordou nesta segunda-feira em estudar a anulação da sentença de morte de Djokhar Tsarnaev pelo atentado à bomba na Maratona de Boston em 2013. O governo Donald Trump fez essa solicitação em outubro.

Embora seu sucessor democrata, Joe Biden, tenha dito que se opõe à decisão, seu governo deixou que o pedido do governo republicano seguisse seu curso e nesta segunda-feira os nove juízes da Suprema Corte concordaram em decidir sobre ela, sem dar explicações, como é habitual.

O estudante de origem chechena, Djokhar Tsarnaev foi condenado à morte em junho de 2015 por plantar duas bombas com seu irmão mais velho, Tamerlan, perto da linha de chegada da Maratona de Boston. Três pessoas morreram e 264 ficaram feridas.

Sua defesa sempre sustentou que o jovem, na época com 19 anos, estava sob influência do irmão mais velho, morto pela polícia três dias após o ataque. Durante a fuga, os dois irmãos atiraram em um agente.

Em 31 de julho, um tribunal de apelação de Boston anulou a sentença de morte de Tsarnaev, citando irregularidades na escolha do júri. Os juízes devolveram o caso a outro tribunal, observando que pelo menos uma sentença de prisão perpétua deveria ser imposta. Mas Donald Trump criticou a decisão, dizendo que "a pena de morte raramente era tão merecida" como para Tsarnaev. O governo Trump, um defensor ferrenho da pena capital, realizou um número recorde de execuções federais (13) nos últimos meses de seu mandato.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismomaratonaMaratona de Boston

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.