Surfe: Brasil recebe etapa do WCT

A expectativa de uma decisão de título mundial histórico e a possibilidade de redenção dos brasileiros apimenta o Nova Schin Festival, a etapa brasileira do World Championship Tour (WCT), a divisão de elite do surfe mundial. O evento começa nesta segunda-feira e não tem sede fixa. As baterias podem acontecer em Florianópolis, Garopaba ou Imbituba, todas em Santa Catarina. O local será definido pelo diretor de prova, que vai escolher justamente o que tiver melhores ondas.Hexacampeão mundial, o norte-americano Kelly Slater pode conquistar no Brasil o 7º título de sua carreira. O único que pode impedi-lo é o havaiano Andy Irons (no surfe, norte-americanos e havaianos competem separadamente), que ganhou seu tricampeonato no Brasil, no ano passado, e fará de tudo para levar a decisão para sua casa, na lendária praia de Pipeline, no Havaí. Já os surfistas brasileiros no WCT estão com um desempenho sofrível esse ano - o melhor colocado é Paulo Moura, que está em 20º lugar no ranking ? e não pretendem deixar escapar a chance de uma reabilitação em casa.Um dos mais motivados é Raoni Monteiro, que neste domingo foi vice-campeão do Onbongo Pro Surfing, pelo WQS, na Praia Mole, em Florianópolis. ?Realmente não sei o que aconteceu esse ano. A galera não foi bem, mas uma vitória em um campeonato pode mudar tudo?, disse o brasileiro. ?Acho que, apesar dos resultados desse ano, é possível que umbrasileiro ganhe surfando em casa.? A Associação de Surfistas Profissionais (ASP) divulgou a relação das baterias da primeira fase. Com a desistência de oito estrangeiros, entre eles o australiano Taj Burrow - campeão da etapa do ano passado -, o Brasil terá 18 representantes no evento.

Agencia Estado,

31 de outubro de 2005 | 10h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.