Surfe: brasileiro estréia de olho no WCT

Esta terça-feira será dia de dupla ansiedade para o surfista Bernardo Pigmeu. Primeiro pela expectativa de sua primeira bateria no Hang Loose Pro Contest, a primeira competição internacional de surfe no Brasil em 2005, pelo World Qualifying Series (WQS), a Divisão de Acesso do surfe nacional. Segundo porque o surfista aguarda o anúncio da aposentadoria do australiano Mark Occhiluppo, o que lhe daria o direito de disputar a Primeira Divisão, o World Championship Tour (WCT), a partir de março.Pigmeu terminou o WQS do ano passado em 20º lugar, o que lhe garantiu a posição de alternate, um reserva nas competições do WCT. Somente os 15 primeiros da temporada anterior da Divisão de Acesso são promovidos no ano seguinte mas, com a aposentadoria de Occhiluppo, que pode ser definida oficialmente nesta terça, o brasileiro herdaria a vaga do australiano para toda a temporada. O australiano foi campeão do WCT em 1999.A notícia é um incentivo a mais para Pigmeu, que vai competir perto de casa - o surfista é pernambucano. Por sua colocação no WQS do ano passado, ele só passa a competir a partir da segunda fase. Pega dois surfistas classificados do round dos 144 mais um adversário difícil, o experiente Fábio Gouveia.Os surfistas já estão prontos para a estréia nesta terça. A segunda-feira foi de folga porque os organizadores estão esperando pelas melhores ondas da Praia da Cacimba do Padre, em Fernando de Noronha. O local é famoso por proporcionar ondas tubulares, mas nesta segunda as formações eram de apenas um metro de altura, o que não impediu a maioria dos surfistas de entrar na água para treinar e ignorar até mesmo a chuva do fim de tarde, aliás bem-vinda por causa do forte calor. De terça para quarta-feira a expectativa é de ondas de até dois metros, mais adequadas às competições.

Agencia Estado,

14 de fevereiro de 2005 | 18h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.