Tony Heff/ WSL
Tony Heff/ WSL

Surfe, pesca e futmesa: a rotina de Italo Ferreira durante a pandemia

Surfista está cumprindo a quarentena obrigatória em Baía Formosa, no Rio Grande do Norte

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2020 | 10h00

Apesar da pandemia do novo coronavírus, o surfista Italo Ferreira não perdeu o seu contato com o mar. Cumprindo a quarentena obrigatória em Baía Formosa, no Rio Grande do Norte, ele retornou às origens e está aproveitando o tempo livre para treinar ao lado dos amigos e passar mais tempo com a família. "A minha quarentena está sendo produtiva. Estou indo surfar todos os dias e também aproveito para pescar e jogar futmesa com os amigos", conta Italo, que admite estar preocupado com a propagação da covid-19.

"Estou me cuidando, seguindo todas as regras. Tento manter distância das pessoas, porque não sabemos quem está infectado. Também tento ficar sempre com as mesmas pessoas e aproveitar a vida da melhor maneira possível. Sei que o mundo está passando por um dos seus momentos mais difíceis. Já pesquisei e vi que existiram outras pandemias, mas eu não vivi esse momento, e para não ficar pensando muito, a gente tenta sempre fazer alguma coisa e ajudar outras pessoas que precisam", complementa o surfista.

Italo diz que estar em Baía Formosa o faz relembrar o passado. "Tenho vivido como se estivesse no início da carreira, quando entrei no surfe. Estou indo surfar com as mesmas pessoas que ficavam comigo quando era criança. Surfo por horas. A gente se diverte, joga bola em casa, tem o futmesa... Estou curtindo", diz.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

sem limites... #freesession #home

Uma publicação compartilhada por Italo Ferreira (@italoferreira) em

Questionado sobre o período pós-quarentena, o surfista acredita que "será difícil". "Acho que a maior dificuldade vai ser abraçar as pessoas. Só estamos dando "oi" de longe, toque de ombro... Não é legal. As vezes a gente precisa sentir um aperto de mão, um abraço, a energia da pessoa. Acredito que isso vai ser o mais difícil porque vamos estar com medo de chegar perto das pessoas".

PRÓXIMAS COMPETIÇÕES 

Com vaga assegurada nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Italo disse ao Estadão que o momento é de aguardar. "Estava ansioso para esse ano, mas infelizmente mudou tudo. O Brasil está bem representado em Tóquio. Acredito que podemos fazer história e o surfe só tem a ganhar com isso".

O brasileiro vive a expectativa para o retorno do Circuito Mundial. Por causa da pandemia, a World Surf League (WSL, na sigla em inglês) anunciou um novo formato para a temporada de 2021, com mudanças para decidir os campeões. A partir do próximo ano, os dois melhores surfistas vão disputar um confronto direto no último dia da temporada, como foi no ano passado, quando Italo conquistou o título decidido na final contra o compatriota Gabriel Medina em Pipeline, no Havaí. 

Tudo o que sabemos sobre:
surfeÍtalo Ferreira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.