Surfistas vão do céu ao inferno em Nazaré, o paraíso das ondas gigantes

Maya Gabeira sofre acidente incrível e Carlos Burle pode ter batido o recorde mundial

O Estado de S. Paulo

29 de outubro de 2013 | 06h43

NAZARÉ - A Praia do Norte, em Nazaré (Portugal), está se tornando mais famosa a cada ano pela crescente quantidade de surfistas dispostos a arriscar a vida em busca da maior onda do mundo. Ontem, dois brasileiros protagonizaram cenas incríveis naquelas águas geladas. A carioca Maya Gabeira, 26 anos, pegou uma das maiores ondas de sua vida, mas caiu e chegou a ficar desacordada na areia. Quem salvou a filha do ex-deputado federal Fernando Gabeira foi Carlos Burle, 45 anos, que depois de resgatar a moça no mar, fez os primeiros socorros e a encaminhou para o Hospital de Leiria. Mais tarde, o pernambucano ainda pode ter pegado a maior onda da história, superando os 24 metros do norte-americano Garrett McNamara.

Os dois estão em Portugal em um projeto da Red Bull que conta ainda com os atletas Pedro Scooby e Felipe Cesarano. Logo pela manhã, Maya surfou uma onda muito grande, mas acabou caindo depois, na espuma. Burle tentou resgatá-la com o jet ski, mas a moça já estava bastante cansada porque as ondas continuavam arrebentando, e não conseguiu subir na garupa. Para piorar, o surfista puxou Maya com uma corda, mas ela desmaiou e acabou soltando-a. Ele voltou, pulou do jet ski e teve de pegá-la nos braços. Na areia, com a ajuda de um salva-vidas local, reanimou a surfista.

"A situação da Maya foi horrível, principalmente quando vi que ela não estava respirando. Ela é uma amiga de longa data e trabalhamos o ano todo para estar preparados para esses momentos. Claro que sabemos que o risco de morte é iminente, mas estou feliz por ela estar viva", contou Burle. Após o susto, Maya foi encaminhada para o hospital e passa bem. Ela teve apenas uma fratura no tornozelo e, pelas redes sociais, tranquilizou seus fãs. "Obrigada pelo carinho de sempre! Um tornozelo quebrado, mas nada de mais! Estou me recuperando bem e continuem torcendo por favor. Logo mais estou de volta", afirmou.

Burle ainda teve fôlego – e coragem – para voltar ao mar e pegar uma onda que pode ter chegado a 30 metros. Isso tudo sob os olhares de McNamara, que explicou que não quis entrar no mar com sua prancha por causa das condições críticas. "Foi uma adrenalina muito grande voltar lá após tudo isso", disse Burle.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.