Kim Kyung-Hoon/Reuters
Kim Kyung-Hoon/Reuters

Surpresa: Bolt faz lambança e fica sem medalha nos 100 m

Jamaicano queima largada e perde título certo. Maurren vai mal e chora. Murer e Gomes estão na final

, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2011 | 00h00

DAEGU

Não foi o dia de muitos astros no Campeonato Mundial de Atletismo. Ficará para a história a lambança do jamaicano Usain Bolt. Mais do que favorito para a vitória nos 100 metros por causa das contusões dos principais adversários, não contava com um rival: ele mesmo. Queimou a largada e foi desclassificado.

O público no estádio de Daegu soltou um "Ah!". Bolt tirou a camisa e não escondeu a frustração. Saiu do estádio esmurrando as paredes enquanto seu compatriota Yoham Blake faturava o título com a marca de 9s92. Tentou manter o bom humor. "Querem me ver chorar? Não vai acontecer", declarou Bolt.

Se o jamaicano não chorou, Maurren Maggi compensou. As lágrimas rolaram ao ver o sonho de ser a primeira brasileira a se tornar campeã olímpica e mundial ir por terra quando eliminada da fase final do salto em distância. A marca foi de apenas 6,17 metros no terceiro salto, abaixo dos 6,86 m nas eliminatórias do sábado. A vitória foi da americana Britney Reese, 6,82 m.

"Não é a primeira vez que acontece, nem será a última", declarou Maurren. Ela contou que competiu tranquila, mesmo com dois primeiros saltos queimados. "Simplesmente eles não se deram como queria, mas assim é a competição. Não se pode fazer nada."

A maior esperança do Brasil passa a ser Fabiana Murer, que se classificou para a final do salto com vara, amanhã, a partir das 7 horas. Hoje, no mesmo horário, Fábio Gomes tenta uma medalha na versão masculina do evento.

No outro tropeço do Mundial, o etíope Kenenisa Bekele falhou na tentativa do pentacampeonato nos 10 mil metros. Voltava após uma longa contusão e, com dores, não concluiu a prova.

Na história. A exceção do dia estava nos 400 metros. O sul-africano Oscar Pistorius fez história ao se tornar o primeiro amputado a competir em um Mundial. Terminou sua prova em 45s39 e avançou às semifinais. "Foi um alívio", disse o corredor. "Esta (proposta de correr contra não deficientes) é uma plataforma onde você trabalha extremamente duro até chegar aqui. Uma vez aqui, não quer deixar a coisa escapar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.